+55 (67) 3546.2571
segunda, 08 de maro de 2021
bataguassu
bataguassu
quinta, 14 de março de 2013 - 13:30

Desoneração da cesta básica beneficia também os produtores de carnes

A desoneração dos produtos da cesta básica, que tem como objetivo direto beneficiar os consumidores com a queda dos preços dos produtos nos supermercados, é considerada positiva para os produtores de carnes. As mudanças devem começar a aparecer já nos próximos meses.

A medida tem o objetivo direto de beneficiar os consumidores. Produtos tradicionais da cesta básica vão ficar mais baratos, entre eles as carnes bovina, suína e de frango. Isto porque o governo está abrindo mão do PIS/Cofins que eram recolhidos junto às redes varejistas. A iniciativa é mais um capítulo no processo que visa desonerar os setores produtivos. Em 2009 a indústria da carne bovina já havia sido beneficiada e mais recentemente, em 2011, o setor da avicultura. O analista de mercado José Carlos Hausknecht explica que nos últimos anos houve uma redistribuição na carga de impostos deixando o recolhimento do PIS/Cofins apenas com a rede varejista.

Toda cadeia de PIS/Ccofins é recolhida só no supermercado. O resto da cadeia foi retirada as alíquotas, então é só o supermercado que vai parar de recolher. Ele vai ter que repassar isto para o frigorífico e, consequentemente, o frigorífico vai repassar para o produtor.

A medida que pode baixar os preços dos produtos deve refletir nos elos de toda cadeia. A queda, em média de 8%, deve provocar aumento do consumo.

Pode chegar no produtor, não no curto prazo, mas no médio e longo prazo sim, porque você pode ter um estímulo ao aumentar a demanda. Consequentemente, isto pode ter um estímulo. Só a partir do segundo semestre do ano que vem que a gente pode avaliar se efetivamente a medida de desoneração do PIS/Cofins no varejo da carne suína tiver um efeito na demanda interna — avalia o diretor de Mercado Interno da Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína (Abipecs), Jurandi Soares Machado.

Para avicultura, onde é ciclo de produção é mais rápido, em média 40 dias, a previsão é mais otimista.

A avicultura, de fato, tem um ciclo mais rápido que as outras carnes, então ela acaba sendo capaz de fazer os ajustes de oferta de maneira mais rápida. Este caso não é diferente, a avicultura está pronta para atender as necessidades do mercado — diz o gerente de Relações com o Mercado da União Brasileira de Avicultura (Ubabef), Adriano Zerbibi.

Uma boa notícia para o setor, que passou por dificuldades em 2012. Mesmo assim, o analista de mercado faz um alerta.

Teoricamente reduziria o preço e aumentaria o consumo. O problema é que você tem hoje uma oferta de carnes que é restrita, não consegue aumentar de um dia para o outro. Num primeiro momento o aumento da demanda leva a um aumento de preço, então vai se buscar um novo equilíbrio. A queda não vai ser tão significativa num primeiro momento, mas assim que o produtor tiver um aumento de margem ele tende a aumentar a oferta no tempo, vai aumentar a produção de carne e o mercado vai buscar um novo equilíbrio — explica Hausknecht.

Comentários
Imagem da semanaSinted pede aulas remotas e vacinação dos profissionais da educaçãoTodas as imagens
EnqueteQuem vai ser o Campeão da Copa do Brasil?
Resultados
42,86%
Santos
21,43%
Grêmio
21,43%
São Paulo
14,29%
Fluminense
21min31max
AnaurilândiaSol com muitas nuvens. Pancadas de chuva à tarde e à noite.
20min30max
Campo GrandeSol e aumento de nuvens de manhã. Pancadas de chuva à tarde e à noite.
21min33max
DouradosSol com algumas nuvens. Não chove.
22min31max
Três LagoasSol com muitas nuvens. Pancadas de chuva à tarde e à noite.