+55 (67) 3546.2571
quarta, 20 de outubro de 2021
sábado, 8 de março de 2014 - 10:25

Dólar sobe mais de 1% e volta a R$ 2,35, com ajustes e Ucrânia

O dólar subiu mais de 1% ante o real nesta sexta-feira, em um movimento de correção diante das fortes baixas nos últimos dias. Tensões na Ucrânia também abalaram o câmbio brasileiro, que no final dos negócios seguiu o movimento de outras moedas emergentes e afastou-se do patamar de R$ 2,30 que vinha sido testado nos últimos dias.

O dólar fechou com ganhos de 1,15%, a R$ 2,3480 na venda. Na máxima da sessão, que teve volume de US$ 1,3 bilhão na clearing de câmbio da BM&F, a divisa chegou a R$ 2,3505. Na semana, encurtada pelo feriado de Carnaval, a moeda americana acumulou pequena alta de 0,13% sobre o real.

"Acho que o dólar ainda está muito barato", afirmou o diretor de câmbio da corretora Pioneer, João Medeiros, acrescentando que a tensa situação na Ucrânia abalou os mercados globalmente, ajudando o dólar a subir nesta sessão.

O presidente russo, Vladimir Putin, rejeitou a advertência do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, sobre a intervenção militar de Moscou na Crimeia, afirmando nesta sexta-feira que a Rússia não pode ignorar pedidos de ajuda de cidadãos de língua russa na Ucrânia.

O aumento da tensão geopolítica também abalou outras moedas de países emergentes. O dólar subiu mais de 1% ante o peso chileno e a lira turca, por exemplo. A alta do dólar no mercado brasileiro também foi um movimento de ajuste, segundo especialistas. Em fevereiro, a divisa americana acumulou queda de 2,79% ante o real e, nesta semana, chegou a encostar em R$ 2,30, nível visto por especialistas como um piso informal, que ainda é capaz de ajudar nas exportações. Ao atingir esse patamar, a moeda americana acabou atraindo compradores, que queriam aproveitar a cotação considerada barata.

"O dólar está de recompondo... Caiu muito nos últimos dias", afirmou o economista-chefe da BGC Liquidez, Alfredo Barbutti. As expectativas são ainda de que o dólar continuará subindo. Pesquisa da Reuters com diversos economistas mostrou que a queda da moeda norte-americana nas últimas semanas deve ser apenas temporária, o que manteria a pressão sobre o Banco Central para continuar intervindo no mercado.

As projeções da pesquisa são de que a taxa de câmbio chegará ao intervalo de R$ 2,45 a R$ 2,50 em um horizonte de seis a 12 meses. Pela manhã, foram divulgados os dados de emprego nos Estados Unidos, que mostraram a abertura de 175 mil novos postos de trabalho em fevereiro, acima do esperado. A taxa de desemprego subiu ligeiramente, a 6,7% no período.

Mesmo assim, boa parte do mercado entendeu que os números bons não mudam as avaliações de que o banco central dos Estados Unidos manterá o atual ritmo de redução nos estímulos, a US$ 10 bilhões por mês, mexendo gradualmente na liquidez internacional. Por isso, tiveram influência limitada no mercado cambial nesta sessão.

A alta do dólar veio mesmo com a atuação do Banco Central brasileiro. Pela manhã, a autoridade monetária deu continuidade à sua intervenção diária ao vender a oferta total de até 4 mil swaps cambiais tradicionais. Foram todos com vencimento em 1º de dezembro deste ano. Os contratos para 1º de agosto, apesar de terem sido ofertados, não foram vendidos. O volume financeiro ficou em US$ 197,8 milhões.
Veja Também
Comentários
Imagem da semanaSinted pede aulas remotas e vacinação dos profissionais da educaçãoTodas as imagens
EnqueteQuem vai ser o Campeão da Copa do Brasil?
Resultados
42,86%
Santos
21,43%
Grêmio
21,43%
São Paulo
14,29%
Fluminense
17min27max
AnaurilândiaSol com algumas nuvens. Não chove.
15min29max
Campo GrandeSol com algumas nuvens. Não chove.
17min30max
DouradosSol com algumas nuvens. Não chove.
18min27max
Três LagoasSol com algumas nuvens. Não chove.