+55 (67) 3546.2571
quarta, 22 de setembro de 2021
terça, 10 de setembro de 2013 - 11:05

Reajuste do salário mínimo em MS terá impacto de R$ 689 milhões em 2014

Previsão do reajuste de 6,62%, que aumentará o salário mínimo de R$ 678 para R$ 722,90, a partir de janeiro do ano que vem, deve impactar na economia de Mato Grosso do Sul em mais de R$ 689 milhões por ano. Em Campo Grande, o impacto alcançará mais de 237 milhões em 12 meses. Com o reajuste, cada trabalhador receberá mensalmente R$ 44,90 a mais no salário.

O reajuste, esperado todo ano e já consubstanciado em lei, traz mais aspectos positivos do que negativos, segundo o presidente do Conselho Regional de Economia de Mato Grosso do Sul, Ricardo Senna.

Aumentar o poder de compra e movimentar a economia são alguns dos pontos positivos do aumento do salário. “O resultado disso é a nova classe C que viaja de avião e está consumindo novos produtos. Todo mundo está comprando tablet, smartphone”, frisa Senna. O economista lembra ainda que o governo tem tentado nos últimos anos dar ganho real ao trabalhador.

“Aumentando o salário mínimo acima do valor da inflação do ano anterior ao que o reajuste irá vigorar, o governo aumenta o poder de compra dos brasileiros. Isso significa que a renda dele aumentou”.

De acordo com o IBGE (Instituto Nacional de Geografia e Estatística), em 2010, 1,180 milhão de trabalhadores recebiam o salário mínimo no Estado. Na Capital, 407 mil recebem um salário mínimo por mês.

Ainda de acordo com a mesma tabela do IBGE, em 2010 cerca de 350 mil pessoas recebiam até um salário mínimo e mais de 9 mil recebiam até 20 salários. Em Campo Grande, 96 mil trabalhadores recebiam um salário e mais de 5 mil ganhavam mais de 20 salários.

Fazendo uma conta rápida, é possível ter uma noção do valor a mais que será pago por empresas, prefeituras e outros pagadores.

No dia 29 de agosto, a ministra do Planejamento Miriam Belchior anunciou o reajuste, que começa a valer a partir do 1° de janeiro de 2014, depois de ser votado pela Câmara e pelo senado.

Já os aspectos negativos ficam restritos aos municípios e à previdência, segundo Senna. “Sabemos que os municípios estão com dificuldades financeiras, conforme a Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul). Mas também se houver aumento da arrecadação e se os prefeitos fizerem uma boa gestão, com corte de gastos e remanejamento de recursos, isso pode ser controlado", prevê.

Na carteira - O reajuste é sempre bem-vindo, claro. Mas a reclamação entre os trabalhadores é sempre a mesma. O valor. “É muito pouco. Não dá para muita coisa, mas qualquer coisa que vem já ajuda a melhor, mesmo que pouco”, ressaltou o mecânico Silvio Portela, 38 anos.

“Ajuda, vixe! É melhor do que estamos ganhando agora. Mas não é muita coisa. É sempre assim. Quero ver no dia que o aumento fará realmente diferença na nossa vida”, disse a faxineira Josefá Santana, 68 anos.

O reajuste de pouco mais de R$ 40 parece pouco, mas segundo a vendedora Janaína Fontes, 26 anos, ajuda, e muito, nas finanças da família. “É pouco, mas se a gente parar para pensar, é uma comprinha básica no mercado, ou uma ida ao salão de beleza, ou ainda uma conta de telefone. Se calcularmos esse valor por ano, é bem-vindo sim. Claro que seria muito melhor se fosse mais, mas não vou reclamar”, conclui.

O reajuste pode mudar, já que a fórmula considera o aumento do PIB (Produto Interno Bruto) do ano anterior, que foi de 0,9% em 2012, mais a inflação calculada pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor).
Veja Também
Comentários
Imagem da semanaSinted pede aulas remotas e vacinação dos profissionais da educaçãoTodas as imagens
EnqueteQuem vai ser o Campeão da Copa do Brasil?
Resultados
42,86%
Santos
21,43%
Grêmio
21,43%
São Paulo
14,29%
Fluminense
20min35max
AnaurilândiaSol com algumas nuvens. Não chove.
23min35max
Campo GrandeSol com algumas nuvens. Não chove.
18min35max
DouradosSol com algumas nuvens. Não chove.
21min35max
Três LagoasSol com algumas nuvens. Não chove.