+55 (67) 3546.2571
quarta, 20 de outubro de 2021
segunda, 3 de março de 2014 - 09:55

Viradouro, Acadêmicos de Santa Cruz e Unidos de Padre Miguel levantam o público

O segundo dia de desfile do Grupo da Série A esquentou com a passagem da Viradouro. Com o enredo Sou a Terra de Ismael, Guanabaran Eu Vou Cruzar... Pra Você Tiro o Chapéu, Rio Eu Vim Te Abraçar, a escola cantou a cidade de Niterói, chamada de Cidade Sorriso e onde a Viradouro foi fundada. O enredo de 2014 também falou da ligação de Niterói com o Rio de Janeiro, separadas apenas pela Baia de Guanabara.

Embora um dos refrões do samba fizesse referência ao Cristo Redentor, um dos principais cartões postais do Rio, a imagem veio atrás da última alegoria em uma estrutura de plástico preta com uma faixa inscrita: "Mesmo proibido olhai pela Viradouro". Era uma lembrança do carnaval da Beija-Flor de 1989, quando, proibida pela Igreja de desfilar com uma imagem do Cristo, a Beija-Flor trouxe uma alegoria semelhante. Ao final do desfile, o público presente em todas as arquibancadas saudou a Viradouro, a quinta escola a se apresentar, com o grito de É campeã.

Na sequência entrou a Estácio de Sá que, como a Viradouro, também já foi campeã do Grupo Especial. O enredo Um Rio à Beira-Mar: Ventos do Passado em Direção ao Futuro! mostrou a história cultural do entorno do Porto do Rio e as perspectivas de modernização do local, que passa por obras de revitalização. A escola fez uma boa apresentação e animou as arquibancadas.

A próxima foi a Acadêmicos de Santa Cruz que também empolgou o público com um desfile animado da agremiação da zona oeste. O enredo Do Toque do Criador à Cidade Mais Saudável do Brasil: Jundiaí, uma Referência Nacional cantou a cidade paulista. O último carro, que representava o desenvolvimento cultural e tecnológico de Jundiaí, teve um problema mecânico que foi resolvido e não comprometeu o desfile.

Outra escola que se apresentou neste segundo dia, foi a Unidos de Padre Miguel. A escola da zona oeste do Rio, que foi a oitava a se apresentar, trouxe o mistério para o Sambódromo. O enredo Decifra-me ou Te Devoro: Enigmas – Chaves da Vida mostrou logo no abre-alas os mistérios cifrados de civilizações passadas. Também chamou a atenção do público o carro com uma figura metade humana e metade máquina, que representava a pergunta Quem sou eu, de onde vim, para onde vou?

A Tradição, escola da zona norte do Rio, abriu o desfile do segundo dia do Grupo da Série A com o enredo Sonhar com Rei Dá Leão que em 1976 deu o título de campeã para a Beija-Flor. Com a reedição deste enredo, a agremiação homenageou a escola de Nilópolis, um dos destaques do grupo especial. Mas a Tradição, que nasceu de uma dissidência de um grupo da Portela, não deixou de homenagear Natalino José do Nascimento, o Natal da Portela, que veio simbolizado na quarta alegoria, fechando o desfile. Não foi sem motivos que o carro tinha as cores azul e branco, da agremiação de Madureira.

A Alegria da Zona Sul foi a segunda a passar pela avenida e apresentou o enredo Sacopenapã. A única escola da zona sul no grupo da série A, cantou o bairro mais famoso do Rio, Copacabana. E foi justamente no carro que representava o bairro e homenageava também Yemanjá, a rainha do mar, que a escola teve uma perda significativa de pontos. A barra de direção do carro quebrou na virada da concentração para a passarela de desfile e apesar do empenho dos integrantes, não houve jeito e o carro, que era a quarta e última alegoria da escola, ficou fora do desfile. O diretor de harmonia da escola, Robson Sant Anna, disse à Agência Brasil que a decisão de deixar o carro de fora foi da diretoria da escola para não causar um problema ainda maior. "Não tem o que fazer. Vamos tirar o carro com um reboque", lamentou.

A terceira a entrar no Sambódromo foi a União do Parque Curicica. A escola da zona oeste cantou a história da tradicional bebida brasileira: a cachaça. O enredo Na garrafa, no Brasil, Salve a Cachaça Patrimônio Cultural do Brasil falou do lucros dos engenhos, da festa da colheita e incluiu toques de religiosidade com santos e entidades da umbanda.

A Caprichosos de Pilares entrou no Sambódromo com força para tentar mais uma vez voltar para o grupo especial. O ex-jogador da seleção de Portugal e do Fluminense, Deco, desfilou pela primeira vez e disse que se emocionou. "A visão, quando você está aqui na avenida, é diferente. É muito bacana", contou à Agência Brasil.

A Caprichosos escolheu como tema do desfile deste ano a Lapa, tradicional bairro da boemia carioca. Alguns componentes, no entanto, ficaram decepcionados. A fantasia deles não chegou à avenida em tempo do desfile. A professora Chriscia Ferreira vinha em uma ala composta por 21 casais e ensaiou por dois meses. "As damas ficaram sem vestido e sem peruca. Um absurdo e falta de consideração. A gente entrou de roupa mesmo fora do figurino em protesto", disse.

O presidente da escola Cezar Thadeu reconheceu o problema, mas considerou que a escola fez um bom desfile com possibilidade de brigar pelo título de campeã. "Isso aconteceu. Alguns [problemas] foram solucionadas outros não. O importante é que a escola passou bem", disse.

Já com o céu claro, a Acadêmicos de Cubango encerrou o desfile da Série A, com o enredo Continente Negro - Uma Epopeia Africana. A torcida da escola resistiu aos chuviscos para ver a evolução dos componentes da comunidade. Somente uma escola da Série A poderá subir para o Grupo Especial e três cairão para a Série B.
Comentários
Imagem da semanaSinted pede aulas remotas e vacinação dos profissionais da educaçãoTodas as imagens
EnqueteQuem vai ser o Campeão da Copa do Brasil?
Resultados
42,86%
Santos
21,43%
Grêmio
21,43%
São Paulo
14,29%
Fluminense
17min27max
AnaurilândiaSol com algumas nuvens. Não chove.
15min29max
Campo GrandeSol com algumas nuvens. Não chove.
17min30max
DouradosSol com algumas nuvens. Não chove.
18min27max
Três LagoasSol com algumas nuvens. Não chove.