+55 (67) 3546.2571
domingo, 25 de julho de 2021
sexta, 26 de junho de 2015 - 10:35

Agressão a grupo de Aécio na Venezuela é questionada

As denúncias de agressão feitas durante a primeira missão do Senado na Venezuela, liderada pelo senador e ex-candidato à presidência Aécio Neves (PSDB), foram questionadas nesta quinta-feira (25) pelo senador Roberto Requião (PMDB), membro de uma comitiva de parlamentares da base aliada que foi a Caracas após o incidente. "A agressão da qual falaram não pôde ser comprovada em vídeos nem fotos. Não me parece que ela tenha se concretizado da forma como a imprensa noticiou", declarou Requião aos jornalistas na sede do partido Vontade Popular (VP), liderado pelo opositor venezuelano preso Leopoldo López. O governo da Venezuela negou ter dificultado a visita da primeira missão de senadores, enquanto membros do grupo político de López pediram à presidente Dilma Rousseff para se pronunciar sobre a suposta "agressão". A primeira comitiva de parlamentares brasileiros que esteve na Venezuela há uma semana denunciou que, no caminho para Caracas, várias pessoas, partidários do governo, bloquearam a passagem do ônibus com o qual tentavam visitar López e outros opositores preso. Frente à impossibilidade de chegar à capital do país, os senadores resolveram voltar ao Brasil. Aécio criticou o governo venezuelano por não oferecer "garantias mínimas de segurança". A Venezuela negou as acusações e afirmou que a viagem da comitiva teve como único propósito "desestabilizar a democracia e gerar conflito entre países irmãos". O governo federal convocou a embaixadora do país vizinho no Brasil e pediu "esclarecimentos" à ministra das Relações Exteriores da Venezuela, Delcy Rodríguez. "A missão de Aécio chegou a Caracas em uma hora ruim", afirmou Requião, ressaltando que esteve várias vezes na Venezuela e jamais teve algum problema. Antes da reunião com dirigentes do partido de López, preso acusado de envolvimento em uma onda de protestos antigovernamentais que terminou com 43 mortos em 2014, Requião e os demais senadores se encontraram com familiares das vítimas. "Em princípio, no Brasil somos contra a prisão de qualquer participante do processo político", disse Requião. A segunda missão de senadores irá dialogar também com outros líderes opositores venezuelanos, como o ex-candidato presidencial Henrique Capriles, assim como representantes da Assembleia Nacional e do Ministério Público do país. "Viemos para conversar com todos, esperando poder colaborar com a democracia e o diálogo com diversos grupos da política da Venezuela. Vimos uma mesma posição dos dois lados: o fim da violência e a punição às agressões, de todos os lados", completou Requião. "Não tomamos partido em nossa visita. Pessoalmente temos posições políticas, mas aqui estamos representando o Senado. Não viemos fazer um espetáculo político para influenciar nas eleições da Venezuela ou no governo de nosso país. Viemos para escutar e tentar colaborar", explicou o senador peemedebista.
Veja Também
Comentários
Imagem da semanaSinted pede aulas remotas e vacinação dos profissionais da educaçãoTodas as imagens
EnqueteQuem vai ser o Campeão da Copa do Brasil?
Resultados
42,86%
Santos
21,43%
Grêmio
21,43%
São Paulo
14,29%
Fluminense
16min33max
AnaurilândiaSol o dia todo sem nuvens no céu. Noite de tempo aberto ainda sem nuvens.
17min34max
Campo GrandeSol o dia todo sem nuvens no céu. Noite de tempo aberto ainda sem nuvens.
16min34max
DouradosSol com algumas nuvens. Não chove.
17min33max
Três LagoasSol o dia todo sem nuvens no céu. Noite de tempo aberto ainda sem nuvens.