+55 (67) 3546.2571
sexta, 25 de maio de 2018
santa rita02
Camapuã
quinta, 17 de maio de 2018 - 09:50

Alunos são escravos de marcas em performance sobre o consumismo

Performance de alunos do curso de Artes Visuais da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) gerou burburinho por onde passou, nesta quarta-feira (16) em Campo Grande. Seja nas ruas do Centro ou pouco antes de serem “convidados a sair” do Shopping Campo Grande, treze alunos traziam no semblante a submissão e como roupas, marcas famosas acusadas de usar mão de obra em condições análogas à escravidão.

A performance “Consumo humano” é resultado da disciplina Poéticas Contemporâneas do curso, e fazia uma crítica contundente ao consumismo nosso de cada, por meio da provocação. E conseguiu.

Vestidos com sacolas de logos como da Apple, M.Officer, C&A, dentre outras marcas, os alunos tinham como alegoria de interpretação, além das vestes improvisadas, o corpo por meio do olhar, da decadência, tristeza no vislumbre dos preços e vitrines. Do sentimento de dependência que nós como clientes, também alimentamos pelo consumo, explica o professor.

Pelo shopping, o trabalho durou cerca de dez minutos antes de chamar a atenção, não só dos clientes, mas também da segurança. Mas a abordagem, até certo ponto esperada pelos atores, também fazia parte da proposta.

Aluno dá vida a zumbi vislumbrado pelas vitrines. (Foto: Reprodução/Facebook) Aluno dá vida a "zumbi" vislumbrado pelas vitrines. (Foto: Reprodução/Facebook)
Alunos sendo escoltados por segurança durante a performance, no shopping. (Foto: Reprodução Facebook) Alunos sendo escoltados por segurança durante a performance, no shopping. (Foto: Reprodução Facebook)
 

“É necessário compreender que a performance é um gênero artístico e ela envolve um conceito, uma ideia, e através dessa ideia materializada, pretende causar um certo estranhamento em um ambiente e nas pessoas”, comenta o professor Paulo Duarte Paes, responsável pelo trabalho dos alunos.

“É um gênero que pressupõe o inesperado, caso precisasse de uma autorização para acontecer, não seria arte”, acrescenta Paulo. Com a permanência negada no shopping, os alunos seguiram para o Centro.

Por lá, a Afonso Pena, Rui Barbosa, 14 de Julho e Barão do Rio Branco, dentre outros cruzamentos foram palco dos estudantes.

 

Alunos por cruzamento da Afonso Pena, no Centro. (Foto: Reprodução Facebook) Alunos por cruzamento da Afonso Pena, no Centro. (Foto: Reprodução Facebook)
 

A primeira reação de quem passava, segundo o professor era de espanto, mas o resultado, como um todo, saiu como o esperado. “Algumas pessoas acharam até que era propaganda ao ver eles vestidos com as marcas, mas a maioria delas conseguia captar essa nossa crítica ao consumismo”, comemora.

Paulo conta que o trabalho foi resultado de cerca de dois meses de pesquisa dos alunos do 7º semestre, voltados especificamente à escritores da arte da performance. Inédito até hoje, o trabalho ainda pode ser apresentado pelos estudantes no Festival de Inverno de Bonito, deste ano. 

Além de professor há dez anos na universidade, Paulo também é coordenador do curso de Artes Visuais da UFMS.



Fonte: Campo Grande News
Veja Também
Comentários
brasilandia rodape
brasilandia
Netshoes Temporário