+55 (67) 3546.2571
segunda, 17 de maio de 2021
quinta, 26 de abril de 2018 - 10:30

Alvo de operação deu R$ 2 bilhões em cheques sem fundo “na praça”, diz PF

Sandro Aurélio Fonseca Machado foi preso na semana passada em Brasília (DF); ele é apontado como o quarto “cabeça” do esquema que fez pelo menos 25 mil vítimas em todo o país

O quarto alvo da Operação Ouro de Ofir, Sandro Aurélio Fonseca Machado passou cerca de R$ 2 bilhões em cheques sem fundos. A cifra deixou a polícia “assustada” e, inclusive, se suspeitou que fosse um novo golpe. Um dos cheques passados pelo investigado era de R$ 230 milhões.

Sandro foi preso na semana passada em Brasília (DF). Ele é apontado pela Polícia Federal como o quarto “cabeça” do esquema que fez pelo menos 25 mil vítimas em todo o país, prometendo lucros absurdos a partir de investimento de R$ 1 mil.

As informações são do responsável pela investigação, o delegado Guilherme Guimarães Farias. Conforme ele, na primeira investida, que foi um mandado de condução coercitiva, o suspeito não foi encontrado no Distrito Federal.

Depois disso, diante do golpe dos cheques, teve o pedido de prisão preventiva, que foi decretada pela 4ª Vara Criminal de Campo Grande.

Conforme o delegado, o investigado aplicava o golpe do cheque quase da mesma maneira que a organização agia. Passava o cheque com cifras absurdas e em troca pedia uma contrapartida inicial de R$ 1 mil. “Depois acontecia o óbvio, o cheque estava sem fundos”, afirma Guilherme.

Segundo delegado Guilherme, preso é do Maranhão e se passava até por sobrinho de José Sarney.  (Foto: Paulo Francis)Segundo delegado Guilherme, preso é do Maranhão e se passava até por sobrinho de José Sarney. (Foto: Paulo Francis)

Para dar credibilidade ao golpe, o suspeito atrelava o nome dele a políticos e empresários conhecidos. “Ele dizia ser sobrinho de políticos, como José Sarney e até próximo do Meirelles”, revela o delegado, a se referir ao executivo da área financeira e ex-ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

Sandro permanecerá preso em Brasília. Enquanto isso os outros investigados Anderson Flores de Araújo, Sidney Anjos Peró e Celso Éder Gonzaga de Araújo - apontado como o chefe do esquema -  estão presos em Campo Grande.

Manual - A Ouro de Ofir virou base de um manual para vítimas. Com 59 páginas, o informativo foi produzido por um grupo que se autointitula “A Verdade”, formado por pessoas enganadas, e reúne resposta do delegado responsável pela operação.

Golpe - A operação investiga organização criminosa que vende ilusão: a existência de uma suposta mina de ouro cujos valores, repatriados para o Brasil, são cedidos, vendidos ou até mesmo doados mediante pagamento.

Em geral, o investimento inicial era de mil reais para um resgate financeiro futuro de R$ 1 milhão. Mas há quem tenha investido R$ 500 mil.Ouro de Ofir, nome da operação, é baseado em uma cidade mitológica da qual seria proveniente um ouro de maior qualidade e beleza.



Fonte: Campo Grande News
Veja Também
Comentários
Imagem da semanaSinted pede aulas remotas e vacinação dos profissionais da educaçãoTodas as imagens
EnqueteQuem vai ser o Campeão da Copa do Brasil?
Resultados
42,86%
Santos
21,43%
Grêmio
21,43%
São Paulo
14,29%
Fluminense
16min32max
AnaurilândiaSol com algumas nuvens. Não chove.
19min29max
Campo GrandeSol com algumas nuvens. Não chove.
17min28max
DouradosSol com algumas nuvens. Não chove.
17min32max
Três LagoasSol com algumas nuvens. Não chove.