+55 (67) 3546.2571
quinta, 05 de agosto de 2021
terça, 7 de julho de 2015 - 17:20

Após 5 anos, policiais civis são denunciados pelo MP pela morte de Eliza Samudio

Depois de cinco anos do sumiço e assassinato de Eliza Samudio, outras duas pessoas foram denunciadas pelo MPE (Ministério Público Estadual) no processo que foi julgado em 2013. O promotor Daniel Saliba de Freitas, que assumiu as investigações com a saída de Henry Vasconcelos, denunciou os policiais civis José Lauriano de Assis Filho, que está aposentado, e Gilson Costa, que está na ativa. O primeiro deles vai responder por sequestro e cárcere privado de Eliza e do filho dela com o goleiro Bruno Fernandes, além de homicídio triplamente qualificado contra a vítima, corrupção de menores e ameaça. Já Gilson Costa vai responder apenas por ameaça, conforme informações apuradas pelo Jornal Estado de Minas. A participação dos dois homens no crime já estava sendo investigada desde a condenação dos primeiros réus. Consta no processo que foi Zezé quem apresentou Luiz Henrique Romão, o “Macarrão”, e o goleiro Bruno ao ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o “Bola”, apontado como o executor da ex-modelo. Na quebra de sigilo telefônico dos envolvidos no crime constam várias ligações entre Zezé, Macarrão, Bola e o primo de Bruno, que era menor na época do crime. Na denúncia feita pelo MP, o promotor Daniel Saliba de Freitas coloca Zezé em todas as fases do crime. Segundo Freitas, o policial aposentado esteve no Rio de Janeiro junto com Bruno, Macarrão e Jorge, primo do goleiro, em 4 de junho de 2010. Foi neste dia que Eliza foi sequestrada junto com o filho e levada para Minas Gerais. Em 10 de junho, o MPE cita José Lauriano como um dos participantes da morte da ex-modelo. De acordo com a denúncia, o policial aposentado estava na casa de Marcos Aparecido juntamente com Bruno, apontado como o mandante do crime, Macarrão e Sérgio Rosa Sales, um dos acusados do assassinato que foi morto durante o processo, no momento da morte de Eliza. Zezé também é apontado como participante da ocultação de cadáver da mulher. José Lauriano vai responder por corrupção de menores, pois corrompeu, ainda segundo o MP, o adolescente Jorge Luiz Sales, a deixar a ex-modelo e o filho dela em cárcere privado e participar do homicídio. Além desses crimes, o policial aposentado e Gilson Costa vão responder por ameaça grave contra Jaílson Alves de Oliveira, detento que diz ter ouvido de Bola a confissão do crime na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem (BH). Segundo a denúncia, os dois policiais teriam entregado uma nota de R$ 50 ao preso dentro do DHPP (Departamento de Homicídio e Proteção a Pessoa) quando ele iria prestar depoimento. Na ocasião, ameaçaram matar a mulher dele caso o detento não omitisse em depoimento ou falasse com a verdade, para beneficiar os réus do processo. O promotor pede que os dois denunciados sejam interrogados e pronunciados pelos crimes listados acima. Além disso, pede que os policiais civis “sejam submetidos a julgamento pelo Tribunal do Júri de Contagem e, ao final, condenados”. Réus condenados Todos os réus que responderam pelos crimes contra Eliza Samudio e do filho dela, foram condenados. À exceção de Dayane Rodrigues, ex-mulher de Bruno, que foi absolvida das acusações. Fernanda Gomes de Castro, ex-namorada do atleta, foi condenada a cinco anos pelo sequestro e cárcere de Eliza e Bruninho. Luiz Henrique Romão, o Macarrão, braço direito do ex-ídolo do Flamengo, foi sentenciado a 15 anos de prisão por homicídio qualificado. Ele foi beneficiado por uma confissão parcial do crime. Já Bruno teve a pena estabelecida em 22 anos e 3 meses de prisão por homicídio e ocultação do cadáver da jovem e também pelo sequestro e cárcere privado do filho, Bruninho. O ex-policial civil Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, apontado como executor do assassinato, foi condenado a 22 anos de prisão. Um outro réu no processo não chegou a ser julgado. Sérgio Rosa Sales, primo do goleiro Bruno, era considerado a principal testemunha do caso. Ele foi assassinado meses antes da data prevista para o julgamento. A polícia concluiu que ele foi vítima de um crime passional, sendo executado pelo companheiro de uma mulher a quem assediou na rua. Outro primo do jogador, que revelou à polícia grande parte da trama, cumpriu medida sócio-educativa e já está em liberdade. Jorge Lisboa Rosa era menor de idade quando o crime ocorreu. Elenílson Vitor da Silva, caseiro do sítio do ex-atleta em Esmeraldas, e Wemerson Marques de Souza, o Coxinha, respondiam apenas pelo sequestro e cárcere privado de Bruninho, filho do jogador e da modelo assassinada. Ambos foram condenados e cumprirão pena em regime aberto. Wemerson, que era réu primário, foi sentenciado a 2 anos e 6 meses de prisão. Já Elenilson, que chegou a ficar preso por cinco meses por causa do envolvimento na morte de Eliza e não era réu primário, teve a pena estabelecida em 3 anos.
Veja Também
Comentários
Imagem da semanaSinted pede aulas remotas e vacinação dos profissionais da educaçãoTodas as imagens
EnqueteQuem vai ser o Campeão da Copa do Brasil?
Resultados
42,86%
Santos
21,43%
Grêmio
21,43%
São Paulo
14,29%
Fluminense
13min29max
AnaurilândiaSol com algumas nuvens. Não chove.
15min28max
Campo GrandeSol com algumas nuvens. Não chove.
14min26max
DouradosSol com muitas nuvens durante o dia e períodos de céu nublado. Noite com muitas nuvens.
14min29max
Três LagoasSol com algumas nuvens. Não chove.