+55 (67) 3546.2571
domingo, 16 de maio de 2021
quinta, 24 de maio de 2018 - 10:55

Caçambeiros paralisam e engrossam protesto contra alta dos combustíveis

A mobilização começou a repercutir no domingo (20), continua nesta quinta-feira (24) em todo o país

Um grupo de aproximadamente 20 caçambeiros se uniram à manifestação contra o aumento do preço do diesel e paralisaram os serviços nesta quinta-feira (24). Em carreata, os motoristas vão passar pelas principais ruas de Campo Grande com destino aos pontos de bloqueio da BR-163.

Segundo João Paulo Cacho, representante do grupo, a adesão a paralisação foi uma maneira de evitar o aumento também no valor do carregamento de pedras e areia para construtoras. “Se o diesel continuar do jeito que está vamos ter que levar o preço lá em cima, e isso não é bom para ninguém”, destacou.

Para se unir ao protesto, o grupo se encontrou nos altos da Avenida Afonso Pena e de lá seguiram em carreata para o ponto de bloqueio na BR-163, na altura do Posto Caravaggio, no anel viário de Campo Grande. “Vamos fazer um buzinaço pelas ruas de Campo Grande, sem fechar o trânsito, até chegar a rodovia”, contou João Paulo.

Os caçambeiros vão descer a Avenida Afonso Pena, passar em frente a prefeitura e seguir para BR-163. Ao Campo Grande News, João Paulo explicou que os clientes já foram avisados que a partir de hoje todos os serviços realizados pelos caçambeiros vão paralisar. “A intenção é que não tenha entrega de pedra e areia em Campo Grande”.

Bloqueios - A mobilização contra o aumento dos combustíveis começou a repercutir no domingo (20), continua nesta quinta-feira (24) em todo o país.

O protesto não impede a passagem de carros de passeio, ônibus e ambulâncias. Apenas motoristas de caminhões e carretas são convidados a parar. A cada dia aumenta os pontos de interdição no Estado. Ontem, era 22 e hoje já são cerca de 30, de acordo com a PRF (Polícia Rodoviária Federal). A polícia recomenda, se possível, que condutores adiem suas viagens.

Na BR-163, por exemplo, há interdição em Eldorado (km 39), Naviraí (km 117), Caarapó (km 206), Dourados (km 256 e 266), Rio Brilhante (km 323), Campo Grande (km 462 e 477), Bandeirantes (km 550), São Gabriel do Oeste (km 614 e 618) e Rio Verde de Mato Grosso (km 678).

A instabilidade no preço da gasolina, assim como o receio de tanques vazios nos próximos dias, já gerou filas, lotou e fechou postos da Capital.

Os caminhoneiros querem a redução da carga tributária sobre o diesel. Reivindicam a zeragem da alíquota de PIS/Pasep e Cofins e a isenção da Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico). Impostos representam quase a metade do valor do diesel na refinaria. A carga tributária menor daria fôlego ao setor, já que o diesel representa 42% do custo da atividade.

Direto das Ruas - A sugestão de reportagem chegou ao Campo Grande News por meio do Direto das Ruas, canal de interação do leitor com a redação. Quem tiver flagrantes, sugestões, notícias, áudios, fotos e vídeos pode colaborar no WhatsApp pelo número (67) 99955-2040, pela ferramenta Fale Conosco ou por mensagem enviada via Facebook. Para que sua imagem tenha mais qualidade, orientamos que fotos e vídeos devem ser feitos com o celular na posição horizontal.



Fonte: Campo Grande News
Veja Também
Comentários
Imagem da semanaSinted pede aulas remotas e vacinação dos profissionais da educaçãoTodas as imagens
EnqueteQuem vai ser o Campeão da Copa do Brasil?
Resultados
42,86%
Santos
21,43%
Grêmio
21,43%
São Paulo
14,29%
Fluminense
16min31max
AnaurilândiaSol com algumas nuvens. Não chove.
19min31max
Campo GrandeSol com algumas nuvens. Não chove.
16min28max
DouradosSol com algumas nuvens. Não chove.
17min31max
Três LagoasSol com algumas nuvens. Não chove.