+55 (67) 3546.2571
segunda, 27 de setembro de 2021
sexta, 13 de setembro de 2013 - 14:35

Concessionária é condenada por cobrar serviço da garantia

Sentença homologada pela 1ª Vara do Juizado Especial Central de Campo Grande julgou parcialmente procedente a ação movida por A.M.D.C.I. contra uma concessionária de veículos, condenando-a ao pagamento de indenização por danos morais no valor de R$ 3 mil por não realizar gratuitamente a revisão de garantia do veículo. Além disso, a concessionária terá que restabelecer a garantia de cinco anos do veiculo e restituir o valor cobrado de R$ 1.218,76, atualizados pelo IGPM/FGV e juros de 1% ao mês.

A cliente informa que adquiriu um veiculo zero quilômetro na concessionária, tendo feito a revisão de 10.000 km em 30 de maio de 2012, com 10.849 km rodados. No entanto, em 26 de setembro de 2012, levou o seu carro à concessionária para realizar a revisão de 20.000 km, mas por recusa da empresa , foi determinada outra data e com 23.427 km foi feita a revisão.

Alega a autora que foi cobrado um valor de R$ 1.218,76 pela revisão, onde foi informada pela concessionária que o seu veiculo não possuía mais garantia. Narra também que, após a serviço realizado, o seu carro apresentou defeito e por isso ajuizou uma ação pretendendo que seja restabelecida a garantia do automóvel, com restituição do valor cobrado, bem como uma indenização por dano moral pelo tratamento com descaso da concessionária.

Conforme a sentença homologada, a empresa ré deverá manter a garantia e restituir os valores cobrados, pois efetuou cobrança de valores dentro do prazo da garantia não comprovando o mau uso por parte do autor e nem atendeu ao cliente quando levou o seu veiculo dentro do prazo da revisão, ou seja, uma revisão de 20.000 km só foi realizada com 23.427km, mostrando a má prestação de serviço.

Em relação ao pedido de indenização pelo dano moral, a sentença homologada concluiu que “uma vez que a cliente adquiriu um veículo zero quilômetro, o qual apresentou defeito, e em razão disso foi humilhada e destratada pelo preposto da requerida, o que originou inclusive reclamação junto à empresa, que não comprovou sequer ter verificado o ocorrido. O descaso sofrido pela autora, o destrato feito pelo preposto, a vergonha e a mágoa sofrida configuram ato ilícito a justificar o nexo de causalidade para a concessão do dano moral”.

Veja Também
Comentários
Imagem da semanaSinted pede aulas remotas e vacinação dos profissionais da educaçãoTodas as imagens
EnqueteQuem vai ser o Campeão da Copa do Brasil?
Resultados
42,86%
Santos
21,43%
Grêmio
21,43%
São Paulo
14,29%
Fluminense
20min36max
AnaurilândiaSol com algumas nuvens. Não chove.
22min34max
Campo GrandeSol e aumento de nuvens de manhã. Pancadas de chuva à tarde e à noite.
20min37max
DouradosSol e aumento de nuvens de manhã. Pancadas de chuva à tarde e à noite.
21min36max
Três LagoasSol com algumas nuvens. Não chove.