+55 (67) 3546.2571
segunda, 17 de maio de 2021
quinta, 10 de maio de 2018 - 08:40

Decisão que liberou Giroto foi “absurda e ilegal”, afirma ministro do Supremo

Alexandre de Moraes contestou manifestação do TRF-3 que anulou prisão de réus da Lama Asfáltica decretada no Supremo 11 dias antes

O ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), enxergou uma situação “verdadeiramente absurda e ilegal” na decisão de 19 de março do TRF-3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região) que liberou o ex-secretário Edson Giroto, o empresário João Alberto Amorim e outros investigados na Operação Lama Asfáltica. Isso porque a 5ª Turma daquele tribunal acabou por ignorar decisão do Supremo expedida 11 dias antes e que levou à detenção dos investigados.

As considerações constam na última manifestação expedida por Moraes no caso, em 4 de maio, que foi cumprida nesta terça-feira (8) e reativou efeitos de decisão de primeira instância que havia determinado a prisão dos réus da Lama Asfáltica. O ministro avaliou reclamação movida pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, que recorreu da decisão do TRF-3.

Todo o problema apontado pela procuradora, e destrinchado por Moraes, envolveu a sucessão de liminares e recursos envolvendo a prisão de Giroto, Amorim, do ex-diretor da Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos) Wilson Roberto Mariano e do empresário Fábio Scrocchio (cunhado de Giroto); bem como as prisões domiciliares de Raquel Giroto, Mariana Mariano de Oliveira (filha de Beto Mariano), Elza Cristina dos Santos (secretária de Amorim) e Ana Paula Amorim (filha de Amorim).

Extensão – Ao avaliar o caso, Alexandre de Moraes reconstituiu a linha de decisões que culminou na colisão entre STF e TRF-3. O ministro lembrou que o primeiro pedido de prisão, que partiu da 3ª Vara Federal de Campo Grande, foi liminarmente mantido pelo Tribunal Federal e, depois, pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça), até que o ministro Marco Aurélio Mello, em 2016, concedeu liminar liberando os réus.

 
Giroto se apresentou na terça-feira à Superintendência da PF para cumprimento de decisão do Supremo. (Foto: Fernando Antunes/Arquivo)Giroto se apresentou na terça-feira à Superintendência da PF para cumprimento de decisão do Supremo. (Foto: Fernando Antunes/Arquivo)

Depois dessa decisão, novamente o juízo de primeira instância decretou a prisão dos investigados. Esta manifestação foi contestada pela defesa dos acusados no TRF-3 que, desta vez, acolheu o pedido –apontando justamente desobediência à decisão de Marco Aurélio Mello, revogando assim a prisão e estabelecendo que as medidas cautelares fossem retomadas.

Foi onde o impasse começou. A defesa dos investigados, conforme Moraes, aproveitou a decisão relativa à segunda prisão para, de volta ao TRF-3, pedir a anulação da primeira detenção –que ainda não tinha sigo julgada em definitivo pelo Supremo. A ação foi comparada pelo ministro a um “círculo vicioso”, tendo pretensão de transformar em definitiva a liminar expedida por Mello.

Virada – Acontece que, em 6 de março deste ano, a 1ª Turma do Supremo desconsiderou os argumentos de Marco Aurélio Mello ao julgar o mérito da liminar e seguiu o entendimento dissidente de Alexandre de Moraes, restabelecendo a prisão dos investigados.

A decisão de Moraes na reclamação da procuradora destaca que, ao avaliar a segunda liminar em dezembro de 2017, o desembargador federal Paulo Fontes havia negado o pedido da defesa ao TRF. Mesmo assim, em 19 de março, a 5ª Turma daquele tribunal atendeu o pedido da defesa e estendeu ao primeiro pedido de prisão os efeitos da revogação da segunda detenção.

 
Amorim (ao centro) também se entregou após manifestação de Moraes. (Foto: Fernando Antunes)Amorim (ao centro) também se entregou após manifestação de Moraes. (Foto: Fernando Antunes)

“Portanto, o TRF-3 concedeu a ordem para revogar a 1ª prisão preventiva dos pacientes, em
total desrespeito à decisão da 1ª Turma do STF, em julgamento realizado em 6 de março de 2017”, destacou Moraes, “criando uma situação verdadeiramente absurda e ilegal, em clara e ostensiva afronta à decisão do STF”, emendou, ao atender o pedido de Raquel Dodge.

Agravos – Conforme o sistema do STF, após a manifestação de Moraes na reclamação da procuradora-geral da República, dois agravos regimentais foram impetrados pela defesa dos denunciados, a fim de anular a decisão.

As medidas vão ao encontro do que o advogado Valeriano Fontoura –que defende Giroto, Raquel, Beto Mariano e Scrocchio– informou ao Campo Grande News na terça, de que os pedidos seriam apresentado rapidamente ao Supremo.

Giroto e os demais investigados na Lama Asfáltica –que apura um esquema de desvio de recursos públicos por meio de fraudes em licitações e superfaturamento de contratos na gestão estadual até 2014– se apresentaram na terça-feira à Polícia Federal. Todos os alvos de mandados de prisão foram levados para o Instituto Penal, no Complexo Penitenciário de Campo Grande. Raquel Giroto, Mariana, Elza e Ana Paula cumprem prisão domiciliar, sem monitoramento eletrônico.



Fonte: Campo Grande News
Veja Também
Comentários
Imagem da semanaSinted pede aulas remotas e vacinação dos profissionais da educaçãoTodas as imagens
EnqueteQuem vai ser o Campeão da Copa do Brasil?
Resultados
42,86%
Santos
21,43%
Grêmio
21,43%
São Paulo
14,29%
Fluminense
16min32max
AnaurilândiaSol com algumas nuvens. Não chove.
19min29max
Campo GrandeSol com algumas nuvens. Não chove.
17min28max
DouradosSol com algumas nuvens. Não chove.
17min32max
Três LagoasSol com algumas nuvens. Não chove.