+55 (67) 3546.2571
domingo, 16 de maio de 2021
sexta, 8 de junho de 2018 - 09:45

Giroto e Amorim completam um mês na cela 17 e presas ficam em área nobre

Defesas aguardam julgamentos de recurso no Supremo e de habeas corpus no Tribunal Regional Federal

Com uma rotina classificada como tranquila, o ex-deputado Edson Giroto (PR) e o empresário João Amorim completam hoje um mês atrás das grades. Esta é a quarta prisão dos dois na operação Lama Asfáltica, que desde 2015 é realizada pela PF (Polícia Federal). A temporada mais longa foi em 2016, quando a prisão durou 42 dias. Já quatro mulheres completam um mês de prisão domiciliar em endereços nobres. 

Conforme apurado pelo Campo Grande News, a cela 17, conhecida pela estadia de “famosos”, tem 20 presos. Considerados presos tranquilos, recebem dos visitantes cobertores, lençóis, itens permitidos aos demais internos.

 

A útltima prisão foi desdobramento de reviravoltas na Justiça e cumprida em 8 de maio deste ano. A decisão também mandou para a cela 17 o servidor estadual Wilson Roberto Mariano de Oliveira e empresário Flávio Henrique Scrocchio (cunhado de Giroto).

Já Elza Cristina Araújo dos Santos, Raquel Rosana Giroto, Mariane Mariano de Oliveira e Ana Paula Amorim há um mês cumprem prisão domiciliar em endereços nobres, como apartamentos na avenida Mato Grosso e Jardim dos Estados, e imóveis no residencial de luxo Damha e no Jardim Bela Vista.

Defesa – O advogado Benedicto Figueiredo, que atua na defesa de Amorim, afima que aguarda o julgamento de recurso no STF (Supremo Tribunal Federal). Nesta semana, o advogado Valeriano Fontoura, responsável pela defesa de Giroto, Flávio e Beto Mariano, informou que entrou com pedidos de habeas corpus no TRF 3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região).

Rachel Giroto (à direita) também foi à sede da PF em 8 de maio. Ela cumpres prisão domiciliar em condomínio de luxo. (Foto: Fernando Antunes)Rachel Giroto (à direita) também foi à sede da PF em 8 de maio. Ela cumpres prisão domiciliar em condomínio de luxo. (Foto: Fernando Antunes)
Elza e João Amorim, acompanhados do advogado Benedicto, se apresentaram à Polícia Federal. (Foto: Fernando Antunes) Elza e João Amorim, acompanhados do advogado Benedicto, se apresentaram à Polícia Federal. (Foto: Fernando Antunes)

Prende e solta – As oito prisões são relativas à fase Fazendas de Lama, realizada em 10 de maio de 2016. A liberdade veio no dia 24 de junho daquele ano, quando o ministro Marco Aurélio, do STF, considerou que não havia elemento concreto para justificar a prisão e concedeu liminar.

O habeas corpus começou a ser julgado no dia 26 de setembro de 2017, quando o relator, ministro Marco Aurélio, votou para tornar definitiva a medida liminar concedida por ele.

Contudo, o julgamento foi retomado na sessão de 6 de março, com voto-vista do ministro Alexandre de Moraes. Ele divergiu do relator e votou pela denegação da ordem, por entender que o decreto de prisão foi devidamente fundamentado.

Neste cenário, os oitos voltaram a ser presos em 9 de março, sendo as mulheres em prisão domiciliar. Os réus se entregaram na superintendência da Polícia Federal.

Entretanto, a liberdade veio em decisão do TRF 3, datada de 19 de março e concretizada no dia 23 daquele mês. Em maio deste ano, as prisões voltaram a ser decretadas por Moraes, a pedido a procuradora-geral da República, Raquel Dodge.

A Lama Asfáltica é maior operação contra corrupção no Estado. A ação contabiliza cinco fases, investiga desvio de R$ 300 milhões, conta com delação premiada e bloqueio de bens.



Fonte: Campo Grande News
Veja Também
Comentários
Imagem da semanaSinted pede aulas remotas e vacinação dos profissionais da educaçãoTodas as imagens
EnqueteQuem vai ser o Campeão da Copa do Brasil?
Resultados
42,86%
Santos
21,43%
Grêmio
21,43%
São Paulo
14,29%
Fluminense
16min31max
AnaurilândiaSol com algumas nuvens. Não chove.
19min31max
Campo GrandeSol com algumas nuvens. Não chove.
16min28max
DouradosSol com algumas nuvens. Não chove.
17min31max
Três LagoasSol com algumas nuvens. Não chove.