+55 (67) 3546.2571
domingo, 16 de maio de 2021
terça, 15 de maio de 2018 - 15:25

Juiz nega liminar para demissão de 50% dos comissionados da Câmara

"O deferimento da tutela de urgência poderia causar maiores prejuízos à população, posto que a imediata exoneração de 50% dos ocupantes de cargos comissionados resultaria em evidente agravo do funcionamento da Câmara Municipal"

A Justiça negou liminar para demissão imediata de 50% dos ocupantes de cargos em comissão na Câmara Municipal de Campo Grande. O pedido foi feito pelo titular da 30ª Promotoria de Justiça, Marcos Alex Vera de Oliveira, em abril deste ano.

“Não se mostra coerente, eficiente e moral, portanto, fixar um quadro de 744 cargos comissionados (isso sem contar as funções de direção superior e de confiança), para um quadro de 115 cargos efetivos, dos quais apenas 70 foram objeto de concurso”, afirmou o promotor.

concurso foi realizado em dezembro do ano passado e os aprovados ainda não foram convocados. A previsão é de que essa etapa aconteça no mês de junho.

Na ação, o MP/MS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) anexou decisão de uma juíza de Porto Velho (Rondônia), que determinou, no prazo de 180 dias, a exoneração dos servidores comissionados não efetivos que excedam o percentual de 50% dos cargos em comissão na Câmara de Porto Velho.

Média - No processo que corre em Campo Grande, a Câmara Municipal informou que cada um dos 29 vereadores tem, em média, 15 comissionados. “Totalizando cerca de 435 servidores comissionados de um total global de 578 servidores comissionados”.

Conforme a Procuradoria Jurídica, esses 435 cargos de comissão não desrespeitam a norma constitucional. Na defesa, a Câmara ainda informa que fez concurso e que a demissão imediata de 50% dos comissionados inviabilizaria o funcionamento do Poder Legislativo.

Ao negar a liminar, o juiz da 1ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, Marcel Henry Batista de Arruda, afirma que não foi evidenciado perigo de demora no caso concreto, tanto que o inquérito para apurar irregularidades data de 2013, e que o funcionamento da Câmara poderia ser prejudicado.

“O deferimento da tutela de urgência poderia causar maiores prejuízos à população, posto que a imediata exoneração de 50% dos ocupantes de cargos comissionados resultaria em evidente agravo do funcionamento da Câmara Municipal, afetando o seu desempenho, em especial porquanto não se tem notícias acerca de quantos candidatos do concursorealizado pelo requerido foram considerados aptos a assumir a função”, afirma o juiz. O magistrado cita decisões do Tribunal de Justiça de São Paulo sobre pedidos semelhantes.



Fonte: Campo Grande News
Veja Também
Comentários
Imagem da semanaSinted pede aulas remotas e vacinação dos profissionais da educaçãoTodas as imagens
EnqueteQuem vai ser o Campeão da Copa do Brasil?
Resultados
42,86%
Santos
21,43%
Grêmio
21,43%
São Paulo
14,29%
Fluminense
16min31max
AnaurilândiaSol com algumas nuvens. Não chove.
19min31max
Campo GrandeSol com algumas nuvens. Não chove.
16min28max
DouradosSol com algumas nuvens. Não chove.
17min31max
Três LagoasSol com algumas nuvens. Não chove.