+55 (67) 3546.2571
sexta, 17 de setembro de 2021
segunda, 16 de setembro de 2013 - 09:30

Mais Médicos atende a menos de 3% da demanda no Brasil

Dois meses depois de ser criado, o Programa Mais Médicos ainda não conseguiu atingir a meta de levar profissionais à população das cidades do interior e das regiões de periferia, que não contam com suficiente oferta de serviços. A segunda fase de inscrições terminou na última sexta-feira com 1.414 adesões, mas apenas 400, o equivalente a 28,3%, foram confirmadas.

Esses números cobrem 2,4% da demanda total apresentada pelos municípios, que solicitaram a abertura de 16.625 vagas. Os médicos deverão ser distribuídos entre 217 municípios e dez distritos de saúde indígena. Os Estados com mais médicos inscritos na segunda fase são Bahia, com 35; Ceará, com 41; e Goiás, com 48.

Na primeira fase, os médicos inscritos tiveram até a última quinta-feira para se apresentar aos postos de trabalho. Segundo dados preliminares divulgados pelo Ministério da Saúde, apenas 47% dos brasileiros inscritos compareceram.

Estrangeiros começam a trabalhar

A primeira fase também permitiu a inscrição de 282 profissionais diplomados no exterior, assim como a vinda dos 400 cubanos, trazidos ao País por um convênio entre o Ministério da Saúde e a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas).

Depois de três semanas de cursos em oito capitais e realização de provas, os estrangeiros estão a caminho dos locais de trabalho e devem começar a atender pacientes no próximo dia 23 de setembro.

Neste fim de semana, eles serão recebidos pelos governos locais e passarão por uma semana de adaptação que, segundo o governo, dedicada à familiarização com os hábitos típicos daquela população.

Governo apoia "importação"

Através da assessoria de imprensa, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, disse que, com a não adesão de brasileiros, as vagas continuarão a ser abertas aos estrangeiros. "A prioridade do Ministério da Saúde é a contratação de médicos brasileiros, mas não podemos deixar a população à espera de atendimento", declarou.

Anteriormente, o ministro já havia se pronunciado sobre o baixo número de profissionais que confirmaram o interesse em trabalhar nas localidades carentes de médicos. Para ele, os números refletem "o diagnóstico do drama que vivem os municípios e estados", os quais abrem seleções para contratação de médicos e não conseguem manter os profissionais.

Durante evento na cidade de Uberlândia (MG) nesta sexta-feira, a presidente Dilma Rousseff voltou a defender a contratação de médicos estrangeiros e argumentou que o percentual de 1,78% de médicos com diplomas estrangeiros que exercem a profissão atualmente no Brasil está abaixo da média adotada em outros países.

"Olha a discrepância. Nos países ricos, eles vão e importam médicos, e nós, que precisamos de médicos, que somos um país de dimensão continental, que não temos médicos na periferia das grandes cidades, no interior do Brasil e nas regiões do Norte, da Amazônia, nem do Nordeste, nós não podemos importar. O que é isso?", observou a presidente.

Resistência da classe médica

Enquanto o governo não abre mão da abertura das vagas para profissionais de fora, entidades médicas vêm criticando o programa. O Conselho Federal de Medicina (CFM) solicitou ao Ministério da Saúde dados detalhados dos integrantes do programa, para que possa fiscalizar as atividades.

"Nossa preocupação é com a saúde da população. Para tanto, acreditamos que esses dados serão úteis no esforço de monitoramento das entidades, que é contínuo e obedece a pressupostos legais em defesa da boa prática médica e da qualidade da assistência", declarou o presidente do CFM, Roberto Luiz d’Avila, em comunicado oficial.

No início de setembro, em audiência na Câmara dos Deputados, a Associação Médica de Brasília (AMBr) apresentou o que considera pontos sensíveis do programa. Para a entidade, os principais problemas são a entrada de médicos com diplomas estrangeiros sem que eles sejam revalidados, e a duração do treinamento para profissionais de fora, que é de 120 horas.

A resistência chegou até mesmo aos tribunais. A justiça do estado do Ceará proibiu o conselho de medicina local de registrar provisoriamente os profissionais formados fora do país. A ação foi iniciada pelo CFM sob a alegação de que o órgão não poderia registrar profissionais que não tenham revalidado o diploma no país. O Ministério da Saúde recorreu e conseguiu reverter a decisão.

ENTENDA O 'MAIS MÉDICOS'

Profissionais receberão bolsa de R$ 10 mil, mais ajuda de custo, e farão especialização em atenção básica durante os três anos do programa.

As vagas serão oferecidas prioritariamente a médicos brasileiros, interessados em atuar nas regiões onde faltam profissionais.

No caso do não preenchimento de todas as vagas, o Brasil aceitará candidaturas de estrangeiros. Eles não precisarão passar pela prova de revalidação do diploma.

O médico estrangeiro que vier ao Brasil deverá atuar na região indicada previamente pelo governo federal, seguindo a demanda dos municípios.

Criação de 11,5 mil novas vagas de medicina em universidades federais e 12 mil de residência em todo o País, além da inclusão de um ciclo de dois anos na graduação em que os estudantes atuarão no Sistema Único de Saúde (SUS).

Veja Também
Comentários
Imagem da semanaSinted pede aulas remotas e vacinação dos profissionais da educaçãoTodas as imagens
EnqueteQuem vai ser o Campeão da Copa do Brasil?
Resultados
42,86%
Santos
21,43%
Grêmio
21,43%
São Paulo
14,29%
Fluminense
20min38max
AnaurilândiaSol com algumas nuvens. Não chove.
21min35max
Campo GrandeSol com algumas nuvens. Não chove.
20min36max
DouradosSol com algumas nuvens. Não chove.
21min38max
Três LagoasSol com algumas nuvens. Não chove.