+55 (67) 3546.2571
domingo, 16 de maio de 2021
sexta, 4 de maio de 2018 - 15:45

MP pede que ex-presidentes de Fundação devolvam R$ 427 mil

Ex-gestores são acusados de improbidade administrativa por contratarem escritórios de contabilidade com dispensa de licitação

Em ação impetrada nesta semana na Justiça Estadual, o Ministério Público de Mato Grosso do Sul pede que dois ex-presidentes da Funsaud (Fundação de Saúde de Dourados) e dois escritórios de contabilidade da cidade devolvam R$ 427 mil pagos pelo cofre público entre 2015 e o primeiro semestre de 2017 por serviços contábeis contratados sem licitação.

Impetrada pelo promotor Ricardo Rotunno, da 16ª Promotoria de Justiça de Dourados, a ação é contra Fábio José Judacewski, que presidiu a fundação desde a criação do órgão em 2015 até o fim de 2016, e contra Albino Mendes, que foi presidente da Funsaud no início de 2017 e atualmente é diretor de comunicação da prefeitura.

A ação, resultado de inquérito civil instaurado em 2016, também tem como requeridos dois escritórios de contabilidade, um contratado por Judacewski, e outro com quem Albino Mendes firmou contrato, também com dispensa de licitação.

“Na qualidade de diretor-presidente da Funsaud, Fábio José Judacewski dispensou indevidamente, por diversas vezes, a realização de procedimentos licitatórios, para contratação da empresa, que se beneficiou dos contratos celebrados com a fundação”, diz trecho da ação à qual o Campo Grande News teve acesso.

Segundo o promotor, assim que assumiu a Funsaud, Albino Mendes seguiu os passos do antecessor e também firmou contrato através de dispensa de licitação, dessa vez com outra empresa.

Inicialmente, conforme a ação, foi assinado um contrato por quatro meses, “sob o pretexto de urgência/emergência, posto que a Funsaud havia iniciado a administração do Hospital da Vida e da UPA 24 horas há poucos dias”.

Entretanto, após os primeiros quatro meses, houve novas dispensas de licitação, que culminaram em cinco contratos contínuos – quatro com o primeiro escritório e um com a segunda empresa, com valores que variaram de R$ 37,5 mil a R$ 77,4 mil.

“Entre a primeira dispensa, realizada em 10 de setembro de 2014, até a assinatura da última, em 1º de fevereiro de 2017, decorreram-se quase dois anos e cinco meses, tempo mais que suficiente para a realização do processo licitatório, o que afasta qualquer alegação de urgência/emergência de tais contratos”, afirma o promotor de Justiça.

Para Ricardo Rotunno, Fábio José Judacewski e Albino Mendes praticaram irregularidades para beneficiar os dois escritórios de contabilidade em detrimento de outras empresas. Além do ressarcimento dos valores pagos, o MPMS pede a condenação dos envolvidos por improbidade administrativa para que fiquem impedidos de contratar com o poder público.

Outro lado – Ao Campo Grande News, Fábio Judacewski disse que todos os procedimentos foram feitos de forma correta e serão esclarecidos quando for solicitado pela Justiça. Albino Mendes foi procurado, mas não se manifestou.



Fonte: Campo Grande News
Veja Também
Comentários
Imagem da semanaSinted pede aulas remotas e vacinação dos profissionais da educaçãoTodas as imagens
EnqueteQuem vai ser o Campeão da Copa do Brasil?
Resultados
42,86%
Santos
21,43%
Grêmio
21,43%
São Paulo
14,29%
Fluminense
16min31max
AnaurilândiaSol com algumas nuvens. Não chove.
19min31max
Campo GrandeSol com algumas nuvens. Não chove.
16min28max
DouradosSol com algumas nuvens. Não chove.
17min31max
Três LagoasSol com algumas nuvens. Não chove.