+55 (67) 3546.2571
domingo, 26 de setembro de 2021
quarta, 11 de setembro de 2013 - 13:50

Novo ataque contra o exército egípcio no Sinai deixa 6 soldados mortos

Os insurgentes islamitas atacaram mais uma vez nesta quarta-feira o exército egípcio na península instável do Sinai, onde seis soldados morreram em dois atentados com carros-bomba durante uma operação militar contra os grupos radicais

"Islamitas terroristas cometeram esta manhã um ataque covarde com dois carros repletos de explosivos. Seis soldados morreram e 17 pessoas ficaram feridas, incluindo sete civis", afirma um comunicado militar.

De acordo com fontes dos serviços de segurança, uma grande explosão aconteceu diante do quartel-general do serviço de inteligência do exército em Rafah, cidade na fronteira com Gaza, e após alguns minutos outro ataque atingiu um posto militar de controle rodoviário.

A explosão destruiu as janelas dos edifícios próximos no bairro de Imam Ali de Rafah, afirmaram testemunhas. O quartel-general da inteligência militar fica em uma área muito protegida e cercada por postos de controle.

A passagem de fronteira de Rafah com a Faixa de Gaza foi fechada depois do ataque, assim como todas as estradas que seguem para o quartel-general. Os soldados procuram suspeitos na região.

Os ataques dos rebeldes jihadistas contra as forças de segurança se intensificaram na península do Sinai desde que, em 3 de julho, o exército destituiu o presidente islamita Mohamed Mursi.

A destituição foi seguida por uma violenta repressão contra as manifestações que pediam o retorno ao poder de Mursi.

O exército reagiu com uma ofensiva de grande alcance há mais de uma semana, bombardeando quase diariamente os refúgios dos jihadistas, que considera "terroristas".

Grupos radicais islamitas, alguns deles vinculados à Al-Qaeda, estabeleceram sua retaguarda nesta região, habitada majoritariamente por beduínos que mantêm uma relação conflitiva com o poder central. Além disso, a área é cenário da ação do tráfico.

Há seis dias, o ministro do Interior Mohamed Ibrahim escapou ileso de um atentado com carro-bomba. Ibrahim é um dos principais idealizadores da campanha de repressão que deixou, desde 14 de agosto, pelo menos mil mortos, em sua imensa maioria manifestantes favoráveis a Mursi.

O atentado foi reivindicado por um grupo jihadista do Sinai ligado à Al-Qaeda, Ansar Beit al-Maqdes, como forma de vingar a morte dos manifestantes islamitas.

O grupo ameaçou executar novos ataques contra as forças de segurança, o ministro do Interior e o general Abdel Fatah al-Sisi, chefe do Estado-Maior das Forças Armadas e homem forte do governo.

Os militares, que destituíram e prenderam Mursi, o único chefe del Estado eleito democraticamente no Egito, estabeleceram um governo de transição responsável de organizar eleições legislativas e presidenciais para o início de dezembro de 2014.

Mas desde 14 de agosto, o exército e a polícia executam uma campanha repressiva contra os partidários de Mursi, sobretudo os membros da Irmandade Muçulmana, movimento do ex-presidente.

Os ativistas mais ativos da Irmandade Muçulmana foram dizimados e os dirigentes do movimento foram detidos, acusados de "assassinato" e "incitação e assassinato".



Veja Também
Comentários
Imagem da semanaSinted pede aulas remotas e vacinação dos profissionais da educaçãoTodas as imagens
EnqueteQuem vai ser o Campeão da Copa do Brasil?
Resultados
42,86%
Santos
21,43%
Grêmio
21,43%
São Paulo
14,29%
Fluminense
20min35max
AnaurilândiaSol e aumento de nuvens de manhã. Pancadas de chuva à tarde e à noite.
22min34max
Campo GrandeSol e aumento de nuvens de manhã. Pancadas de chuva à tarde e à noite.
19min36max
DouradosSol e aumento de nuvens de manhã. Pancadas de chuva à tarde e à noite.
21min35max
Três LagoasSol e aumento de nuvens de manhã. Pancadas de chuva à tarde e à noite.