+55 (67) 3546.2571
quinta, 29 de julho de 2021
sexta, 9 de novembro de 2012 - 09:40

Para lucrar, tráfico mistura droga a cafeína e até a veneno contra barata

A dependência química alimenta um mercado ilegal, criminoso e desleal. No varejo do tráfico, a ordem é lucrar. Desta forma, entram em cena vários recursos para ludibriar o “cliente”: cafeína, lidocaína e até veneno para barata. Mas o que escapa aos olhos e sentidos humanos é detectado em minutos por reagentes químicos e equipamentos no IALF (Instituto de Análises Laboratoriais Forenses), em Campo Grande.

Para a Capital, afluem amostras de todas as substâncias análogas a entorpecentes apreendidas no Estado. Fronteira com a Bolívia, porta de entrada da cocaína, e o Paraguai, que abastece o mercado nacional de maconha, em Mato Grosso do Sul o trabalho dos peritos é intenso. De acordo com o químico e perito criminal Evandro Rodrigo Pedão, são 200 análises de drogas na semana.

O primeiro passo é armazenar parte do material para contraprova. Cumprido o procedimento de praxe, a pasta-base ou a coca em pó vão para o teste de Scott. Com algumas gotinhas de reagente, já é possível verificar se há presença de cocaína no material analisado. Quanto mais pura, mais azulado fica.

Depois, equipamentos desvendam tudo o que forma o material analisado. Se a apreensão foi mais próxima a Corumbá, na fronteira da Bolívia, o entorpecente tem mais chances de ser o cloridrato de cocaína, versão “pura”.

Já se foi na divisa com São Paulo, por exemplo, o mais provável é que o aparelho cromatógrafo revele um combinado de substâncias, estratégia para o entorpecente render mais. Ou, muitas vezes, mistura apenas de cafeína, lidocaína e o ácido bórico, o pó branco conhecido popularmente como veneno para barata.

Conforme o perito, as combinações químicas são feitas para provocar as sensações da droga. A cafeína estimula o nariz, enquanto a lidocaína deixa a boca dormente. Evandro leva os conhecimentos do laboratório para palestras em escolas.

A química auxilia a desvendar porque e tão fácil trilhar o caminho da dependência. Conforme o perito, o organismo tem os seus neurotransmissores em equilíbrio. Como a dopamina (que atua na motivação), a adrenalina (estimulante) e a noradrenalina (que influencia humor, ansiedade, sono). “Com a droga, o organismo diminui a produção, porque passa a esperar a compensação externa”, explica.

Tida como a mais inofensiva das drogas ilícitas, a maconha causa danos permanente nos neurônios. “Não vai nunca mais recuperar a função”, enfatiza.

Veja Também
Comentários
Imagem da semanaSinted pede aulas remotas e vacinação dos profissionais da educaçãoTodas as imagens
EnqueteQuem vai ser o Campeão da Copa do Brasil?
Resultados
42,86%
Santos
21,43%
Grêmio
21,43%
São Paulo
14,29%
Fluminense
3min20max
AnaurilândiaDia de sol, com geada ao amanhecer. As nuvens aumentam no decorrer da tarde.
4min16max
Campo GrandeDia de sol, com geada ao amanhecer. As nuvens aumentam no decorrer da tarde.
4min16max
DouradosDia de sol, com geada ao amanhecer. As nuvens aumentam no decorrer da tarde.
4min20max
Três LagoasDia de sol, com geada ao amanhecer. As nuvens aumentam no decorrer da tarde.