+55 (67) 3546.2571
quinta, 23 de setembro de 2021
segunda, 16 de setembro de 2013 - 15:40

PMs com dados pessoais expostos após ação de hackers temem por suas famílias

Após a invasão do site da Polícia Militar, no último sábado, PMs temem que suas famílias sofram consequências após a exposição de dados pessoais. Um policial, que soube do vazamento de seus dados pessoais, teme as consequências. “Não sei como me proteger e estamos aguardando as orientações para que possamos tomar as devidas providências”, disse o policial.

“Indignação é o meu sentimento. Tenho família, o risco não é só para mim. Temo as consequências que isso pode trazer para eles, que nada têm a ver com o meu trabalho, nem com a situação do país. Nosso trabalho é proteger”, declarou outro cabo.

Cerca de 50 mil policiais militares tiveram seus dados pessoais expostos na Internet com a ação de hackers, auto-intitulados ‘Anoncyber & Cyb3rgh0sts’. Os invasores acessaram o banco de dados da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro. Os dados, compilados em um arquivo de texto, foram disponibilizados para download na página dos ‘Anoncyber & Cyb3rgh0sts’, no Facebook. Nomes completos dos policiais, data de nascimento, identidade, CPF, e-mail, Sistema de Gerenciamento Militar de Armas (SIGMA) e até a data em que o militar faltou ao serviço aparecem no arquivo.

O comandante-geral da Polícia Militar, José Luís Castro Menezes, a major Pricilla de Oliveira Azevedo, que comandou a primeira Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Rio, no Morro Santa Marta, além da comandante da UPP Babilônia/Chapéu Mangueira, tenente Paula Apulchro, estavam na lista dos que tiveram as informações pessoais reveladas. “Meu nome estava lá como o de muitos outros. Eu não tenho tratamento especial. Não tive receio ao saber que meus dados tinham sido divulgados, mas não fiquei satisfeito. Vou tomar as providências legais cabíveis”, afirmou o comandante-geral da PM. A major Pricilla Azevedo disse que só se pronunciaria sobre o caso após autorização de seus superiores.

PM tirou site do ar

Por segurança, a PM retirou o site da corporação do ar durante todo o sábado e ontem, e lamenta o ocorrido. A Polícia Civil também foi acionada para que cheguem aos responsáveis pela invasão. A Secretaria de Segurança do Estado informou que não vai se pronunciar sobre o assunto. A assessoria da Polícia Civil explicou que o setor de informática da instituição realiza monitoramento e constantes ajustes no sistema para prevenir ataques virtuais como o que ocorreu com o site da Polícia Militar.

“É desesperador. O policial já fica exposto nas ruas ainda mais se mora em área de risco. Em qualquer profissão, essa exposição é preocupante, imagina para o PM, que está sempre se arriscando?”, disse um sargento que não quis de identificar.

Mensagem colocada por invasores no site da Alerj

O site da Alerj também foi invadido pelos criminosos virtuais e ficou mais de 24 horas com uma mensagem. “Por que nosso governo anda agredindo tanto o povo? Afinal, o que fizemos de tão ruim? Afinal, vivemos ou não em uma democracia?”, dizia trecho.
Veja Também
Comentários
Imagem da semanaSinted pede aulas remotas e vacinação dos profissionais da educaçãoTodas as imagens
EnqueteQuem vai ser o Campeão da Copa do Brasil?
Resultados
42,86%
Santos
21,43%
Grêmio
21,43%
São Paulo
14,29%
Fluminense
16min33max
AnaurilândiaSol com algumas nuvens. Não chove.
20min35max
Campo GrandeSol com algumas nuvens. Não chove.
19min36max
DouradosSol com algumas nuvens. Não chove.
17min33max
Três LagoasSol com algumas nuvens. Não chove.