+55 (67) 3546.2571
sábado, 17 de abril de 2021
sábado, 10 de novembro de 2012 - 10:27

Ponto cego é descoberto no prédio da família Matsunaga

O prédio do casal Matsunaga, na Vila Leopoldina, Zona Oeste, tem um ponto cego entre a garagem e a área de serviço do apartamento onde Marcos, executivo da Yoki, foi esquartejado pela mulher Elize. A possibilidade de entrada e saída do edifício sem monitoramento pelas câmeras reforça a suspeita da participação de outra pessoa na execução do crime, afirma o Ministério Público.

Laudo do IML (Instituto Médico Legal) revelou a presença de material genético masculino no apartamento incompatível ao de Marcos e Elize, um indicativo de que outra pessoa esteve no local. A perícia também constatou dois tipos de cortes diferentes no corpo do executivo, um deles com precisão cirúrgica e o outro de alguém sem conhecimento técnico. O resultado desses exames fez com que o Ministério Público exigisse um outro inquérito policial.

A existência do ponto cego no prédio dos Matsunaga foi confirmada pelo síndico e subsíndico do edífício e reforçada por Luiz Carlos Lózio, funcionário da Yoki e amigo de Marcos, que prestou depoimento anteontem.

Durante a investigação, a polícia sempre descartou a hipótese de Elize ter um comparsa. A prova usada para sustentar essa tese era a imagem das câmeras do elevador que mostram a acusada saindo do prédio sozinha com três malas.

Elize sabia do ponto cego. Ela chegou a fazer comentários sobre a falha no sistema de monitoramento do edifício a uma testemunha que já prestou depoimento à polícia.

O promotor José Carlos Cosenzo, responsável pela denúncia de Elize, diz que a descoberta abre um leque de possibilidades para coautoria do assassinato. Dez pessoas que tinham acesso ao apartamento serão submetidas a exame de DNA. “Tecnicamente, existe a certeza de uma terceira pessoa no momento do crime”, diz Consenzo.

O DIÁRIO entrou em contato com o advogado da acusada, Luciano Santoro, durante toda a tarde de ontem, sem sucesso. Elize está presa na Penitenciária Feminina de Tremembé, a 135 quilômetros da capital.

Legista vai prestar depoimento na próxima segunda

O médico legista José Pereira de Oliveira, diretor do Centro de Perícias do IML e responsável pelo laudo do caso Matsunaga, deve prestar outro depoimento na próxima segunda-feira, afirma o Ministério Público.

O promotor José Carlos Consenzo pretende esclarecer detalhes sobre o laudo cujo resultado revelou que Marcos foi decapitado vivo. Anteontem, a babá da filha do casal Matsunaga, Mauriceia José Gonçalves dos Santos, de 42 anos, revelou que Elize comprou uma serra elétrica em Cascavel, Paraná, no dia em que esquartejou o marido. O delegado Jorge Carlos Carrasco, diretor do DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa), diz que a investigação vai apurar “onde o equipamento foi comprado, se é que foi comprado”.

Oliveira explicou que seu laudo revela apenas o agente da morte e não os instrumentos usados pelo assassino. É preciso um novo exame de comparação, explica o legista, para saber se Elize e o possível comparsa realmente usaram uma serra elétrica para esquartejar Marcos.

Veja Também
Comentários
Imagem da semanaSinted pede aulas remotas e vacinação dos profissionais da educaçãoTodas as imagens
EnqueteQuem vai ser o Campeão da Copa do Brasil?
Resultados
42,86%
Santos
21,43%
Grêmio
21,43%
São Paulo
14,29%
Fluminense
21min33max
AnaurilândiaSol e aumento de nuvens de manhã. Pancadas de chuva à tarde e à noite.
20min31max
Campo GrandeSol e aumento de nuvens de manhã. Pancadas de chuva à tarde e à noite.
20min32max
DouradosSol e aumento de nuvens de manhã. Pancadas de chuva à tarde e à noite.
22min33max
Três LagoasSol e aumento de nuvens de manhã. Pancadas de chuva à tarde e à noite.