+55 (67) 3546.2571
quarta, 01 de dezembro de 2021
sábado, 10 de novembro de 2012 - 10:27

Ponto cego é descoberto no prédio da família Matsunaga

O prédio do casal Matsunaga, na Vila Leopoldina, Zona Oeste, tem um ponto cego entre a garagem e a área de serviço do apartamento onde Marcos, executivo da Yoki, foi esquartejado pela mulher Elize. A possibilidade de entrada e saída do edifício sem monitoramento pelas câmeras reforça a suspeita da participação de outra pessoa na execução do crime, afirma o Ministério Público.

Laudo do IML (Instituto Médico Legal) revelou a presença de material genético masculino no apartamento incompatível ao de Marcos e Elize, um indicativo de que outra pessoa esteve no local. A perícia também constatou dois tipos de cortes diferentes no corpo do executivo, um deles com precisão cirúrgica e o outro de alguém sem conhecimento técnico. O resultado desses exames fez com que o Ministério Público exigisse um outro inquérito policial.

A existência do ponto cego no prédio dos Matsunaga foi confirmada pelo síndico e subsíndico do edífício e reforçada por Luiz Carlos Lózio, funcionário da Yoki e amigo de Marcos, que prestou depoimento anteontem.

Durante a investigação, a polícia sempre descartou a hipótese de Elize ter um comparsa. A prova usada para sustentar essa tese era a imagem das câmeras do elevador que mostram a acusada saindo do prédio sozinha com três malas.

Elize sabia do ponto cego. Ela chegou a fazer comentários sobre a falha no sistema de monitoramento do edifício a uma testemunha que já prestou depoimento à polícia.

O promotor José Carlos Cosenzo, responsável pela denúncia de Elize, diz que a descoberta abre um leque de possibilidades para coautoria do assassinato. Dez pessoas que tinham acesso ao apartamento serão submetidas a exame de DNA. “Tecnicamente, existe a certeza de uma terceira pessoa no momento do crime”, diz Consenzo.

O DIÁRIO entrou em contato com o advogado da acusada, Luciano Santoro, durante toda a tarde de ontem, sem sucesso. Elize está presa na Penitenciária Feminina de Tremembé, a 135 quilômetros da capital.

Legista vai prestar depoimento na próxima segunda

O médico legista José Pereira de Oliveira, diretor do Centro de Perícias do IML e responsável pelo laudo do caso Matsunaga, deve prestar outro depoimento na próxima segunda-feira, afirma o Ministério Público.

O promotor José Carlos Consenzo pretende esclarecer detalhes sobre o laudo cujo resultado revelou que Marcos foi decapitado vivo. Anteontem, a babá da filha do casal Matsunaga, Mauriceia José Gonçalves dos Santos, de 42 anos, revelou que Elize comprou uma serra elétrica em Cascavel, Paraná, no dia em que esquartejou o marido. O delegado Jorge Carlos Carrasco, diretor do DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa), diz que a investigação vai apurar “onde o equipamento foi comprado, se é que foi comprado”.

Oliveira explicou que seu laudo revela apenas o agente da morte e não os instrumentos usados pelo assassino. É preciso um novo exame de comparação, explica o legista, para saber se Elize e o possível comparsa realmente usaram uma serra elétrica para esquartejar Marcos.

Veja Também
Comentários
Imagem da semanaSinted pede aulas remotas e vacinação dos profissionais da educaçãoTodas as imagens
EnqueteQuem vai ser o Campeão da Copa do Brasil?
Resultados
42,86%
Santos
21,43%
Grêmio
21,43%
São Paulo
14,29%
Fluminense
20min35max
AnaurilândiaSol com algumas nuvens. Não chove.
19min32max
Campo GrandeSol com algumas nuvens. Não chove.
19min34max
DouradosDia de sol, com nevoeiro ao amanhecer. As nuvens aumentam no decorrer da tarde.
21min35max
Três LagoasSol com algumas nuvens. Não chove.