+55 (67) 3546.2571
quarta, 20 de junho de 2018
agua clara
CAMARA batagussu2
quinta, 14 de junho de 2018 - 09:15

Procon vê preço da gasolina estabilizado entre R$ 4,04 e R$ 4,39 na Capital

Pesquisa realizada em 81 postos de combustíveis entre 5 e 7 de junho mostra que estabelecimentos seguirem recomendação para fixar valores para venda

Cerca de duas semanas depois do fim da greve dos caminhoneiros, o preço da gasolina em Campo Grande está estabilizado entre R$ 4,04 e R$ 4,39, conforme levantamento realizado pelo Procon (Superintendência para Orientação ne Defesa do Consumidor) realizada entre 5 e 7 de junho em 81 postos de combustíveis da cidade.

A oscilação ocorre dentro do limite estabelecido pelo órgão para venda de gasolina na Capital –de R$ 4,19 a R$ 4,39–, a fim de evitar especulações quanto ao preço devido ao desabastecimento provocado pela paralisação de caminhoneiros, em protesto contra a política de preços da Petrobras para reajuste do diesel. Os preços foram fixados em acordo com distribuidoras e sindicato dos postos, após uma série de fiscalizações flagrar quase duas dezenas de estabelecimentos oferecendo o produto a preços elevados.

 

Segundo o Procon, a gasolina comum é encontrada nos postos a preços entre R$ 4,04 e R$ 4,39. No caso do etanol, a variação vai de R$ 3,09 a R$ 3,39.

Já o diesel, ponto central do protesto que bloqueou estradas e prejudicou a distribuição de mercadorias diversas pelo país, parte de R$ 3,41 (já incluindo a redução de preços aplicada pelo governo federal) e chega a R$ 4,19. Em todos os casos, os preços mínimos indicam queda em relação aos preços praticados entre 21 e 30 de maio, auge da greve.

“Percebe-se, claramente, que houve uma queda considerável nos preços dos combustíveis e esses podem cair mais ainda, se houver, por parte dos postos de combustíveis, uma concorrência leal e o respeito às normas e aos consumidores”, destacou a superintendente em exercício do Procon, Patrícia Mara da Silva.

Órgão nega tabelamento, mas adverte que legislação coíbe aumentos abusivos de preçosÓrgão nega tabelamento, mas adverte que legislação coíbe aumentos abusivos de preços

Queda – Apesar do limite predefinido, o Procon nega que haja tabelamento no preço dos combustíveis, uma vez que a política adotada no país autoriza a livre concorrência, porém, considera abusiva e ilegal o aumento nos valores cobrados sem justa causa.

Após denúncias, o órgão voltou às ruas e autuou um posto de combustíveis da avenida Mato Grosso na segunda-feira (11), por vender o litro da gasolina por valores entre R$ 4,499 (comum) e R$ 4,689 (aditivada). Ali, o diesel era oferecido a R$ 4,175, acima do preço médio de R$ 3,599 apontado pela ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis).

O Procon realiza fiscalização nos 153 pontos de venda de Campo Grande a fim de cobrar notas de entrada e saída que comprovem preços dentro da margem legal de R$ 4,19 a R$ 4,39 para a gasolina e de R$ 3,19 a R$ 3,29 para o etanol, à vista ou no cartão de débito.

Com base em pesquisa da ANP feita entre 3 e 9 de junho, o preço médio da gasolina na Capital é de R$ 4,323, sendo identificado valor máximo de R$ 4,499 na venda –quatro postos vendiam o combustíveis acima de R$ 4,45. No etanol, os valores variaram de R$ 3,179 e R$ 3,399 (média de R$ 3,281).

Por fim, o diesel comum tem média de preço de R$ 3,442 na cidade, variando de R$ 3,279 a R$ 3,599.



Fonte: Campo Grande News
Veja Também
Comentários
brasilandia rodape
brasilandia
Netshoes Temporário