+55 (67) 3546.2571
sexta, 03 de dezembro de 2021
segunda, 29 de outubro de 2012 - 17:23

Mesmo em minoria, aliados de Bernal vão lutar pela presidência da Câmara

Os vereadores eleitos por partidos de oposição a atual administração e que, no segundo turno, estiveram com o prefeito eleito, Alcides Bernal (PP), não descartam a possibilidade de alguém do grupo ser eleito para a presidência da Câmara Municipal.

Os vereadores que a partir de 2013 serão da base de sustentação discordam do caminho a ser seguido pelo presidente, Paulo Siufi (PMDB), que com maioria, pretende se reunir com o governador André Puccinelli (PMDB), com o candidato derrotado, Edson Giroto (PMDB) e com os 21 eleitos pela coligação para decidir quem o partido indicará.

O vereador João Rocha (PSDB), atual primeiro secretário da Câmara, defende um amplo entendimento entre os vereadores. Ele ressalta que após a eleição os vereadores não pertencem mais as coligações, mas aos partidos e líderes políticos. Neste caso, João Rocha avalia que é preciso um entendimento pluripartidário para eleger um presidente sem disputa.

“O momento é de transição, mudança, onde quem tem maioria não é prefeito. É preciso um amplo entendimento para exercer obrigações do parlamento. É preciso ter um Poder Legislativo independente, mas consequente” defendeu Rocha, lembrando que o novo presidente deve contemplar os vereadores e também o prefeito eleito.

O vereador mais votado em Campo Grande, Zeca do PT, entende que o novo prefeitodeve conduzir o processo. Para ele, cabe ao novo prefeito ver a relação que quer estabelecer com a Câmara, estabelecendo critérios de parceria para a escolha do presidente. Zeca afirma que não tem pretensão de ser presidente e faz questão de dizer que Bernal é o ator principal deste processo.

A vereadora Rose Modesto (PSDB) também destaca o cenário atípico na Câmara em 2013, quando a Casa deixará de ter 21 e passará a contar com 29 vereadores. Ela analisa que a Câmara tem vários partidos e nomes de peso. Assim, caberá aos interessados a tarefa de viabilizar mais aliados entre os pares.

A segunda vereadora com mais votos em Campo Grande entende que a escolha deve passar por um consenso na Casa e não deve sofrer interferência de nenhuma liderança. A vereadora defende que, se for preciso, tenha mais de um candidato e que o novo presidente passe por votação. Rose diz que só se candidataria se o nome dela partisse da indicação dos colegas.

Em entrevista ao Midiamax, Siufi explicou que o grupo deve indicar o novo presidente, mas de maneira transparente e tranquila. Ele não descartou a possibilidade da vice-presidência ser ocupada por algum vereador do grupo do novo prefeito, Alcides Bernal (PP), recordando que quando assumiu a presidência, em 2008, tinha como vice o vereador do PT, Cabo Almi.

“Não tem que ter revanchismo. Os oito que o Bernal elegeu vão somar. Hoje o primeiro secretário meu é o João Rocha (PSDB), que está do lado de lá. A Casa sempre foi ordeira e com um bom relacionamento com prefeitos. A oposição sempre fez crítica construtiva”, opinou.
Veja Também
Comentários
Imagem da semanaSinted pede aulas remotas e vacinação dos profissionais da educaçãoTodas as imagens
EnqueteQuem vai ser o Campeão da Copa do Brasil?
Resultados
42,86%
Santos
21,43%
Grêmio
21,43%
São Paulo
14,29%
Fluminense
21min35max
AnaurilândiaSol com algumas nuvens. Não chove.
20min32max
Campo GrandeSol e aumento de nuvens de manhã. Pancadas de chuva à tarde e à noite.
21min36max
DouradosSol com algumas nuvens. Não chove.
22min35max
Três LagoasSol com algumas nuvens. Não chove.