+55 (67) 3546.2571
quinta, 29 de julho de 2021
agua clara
sexta, 9 de novembro de 2012 - 17:07

Indústrias estão de olho nos mestres e doutores

Professor doutor Cláudio Vasconcelos é pró-reitor da UFGD
Professor doutor Cláudio Vasconcelos é pró-reitor da UFGDProfessor doutor Cláudio Vasconcelos é pró-reitor da UFGD
governo
Cada vez mais as empresas estão de olho nos profissionais com formação em mestrado e doutorado no Brasil. Apesar de historicamente profissionais com essas titulações seguirem carreiras acadêmicas e serem absorvidos por escolas e universidades, levantamento do Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE), organização social supervisionada pelo Ministério da Ciência e Tecnologia, revela que outros setores têm se interessado por profissionais com pós-graduação stricto sensu, ou seja, profissionais mestres e doutores.

A Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) está se preparando para essa nova perspectiva. Atualmente a instituição conta com 15 cursos de mestrado e quatro de doutorado e pelo programa de expansão prevê até 2020 chegar a 30 cursos de mestrado e 20 de doutorado.

O professor doutor Cláudio Alves Vasconcelos, pró-reitor de Ensino de Pós-Graduação e Pesquisa da UFGD, diz que os novos programas a serem instalados na instituição tem vocação com o desenvolvimento regional. Atualmente a universidade tem programas de mestrado em áreas da Saúde, Humanas, Agronegócios e Educação. Alguns deles já têm doutorado e a proposta é de que esses 15 mestrados tenham todos doutorado até 2015. Já os demais mestrados que surgirem até esse período, deverão conquistar programas de doutorado até 2020.

Segundo o professor Cláudio Vasconcelos, os doutores titulados recentemente tendem a ir mais para a indústria do que há 10 anos. “O próprio mercado pede esta mão de obra qualificada ao abrir espaço para pesquisas”, explica o pró-reitor da UFGD.

As empresas estão investindo em pesquisa e há muita demanda por profissional com pós-graduação nas áreas tecnológicas. “Mudou-se a cultura e hoje quem faz mestrado ou doutorado não necessariamente quer seguir a carreira acadêmica. O mercado precisa de mestres e doutores para fazer pesquisa, isso é comum nos países desenvolvidos.”, explica o professor.

PESQUISA

O número de mestres e doutores titulados no Brasil dobrou nos últimos dez anos. De 2001 a 2010, a quantidade de pesquisadores formados por ano no país passou de 26 mil para cerca de 53 mil, segundo a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Neste ano, devem se formar 41,3 mil mestres e 13,3 mil doutores.

Esse crescimento, segundo a Capes, pode ser atribuído ao estímulo à pós-graduação em todas as áreas do conhecimento, com o aumento na oferta de bolsas de estudos. Entre os programas de estímulo está o Ciência sem Fronteiras, implementado pelos ministérios da Educação e da Ciência, Tecnologia e Inovação. Somente na UFGD 270 estudantes da pós-graduação são beneficiados com bolsas. Quem cursa doutorado recebe R$ 2 mil por mês e mestrado R$ 1.350, para dedicação à pesquisa. Por ano, a UFGD distribui R$ 5 milhões em bolsas de pós-graduação.

De acordo com o CGEE, depois da educação, os setores que mais empregam mestres e doutores são saúde humana e serviços sociais, seguido pelos departamentos de administração pública, defesa e seguridade social. A tendência é de que as indústrias passem a contratar mestres e doutores, característica comum em países desenvolvidos e o Brasil segue essa tendência.

Comentários
Imagem da semanaSinted pede aulas remotas e vacinação dos profissionais da educaçãoTodas as imagens
EnqueteQuem vai ser o Campeão da Copa do Brasil?
Resultados
42,86%
Santos
21,43%
Grêmio
21,43%
São Paulo
14,29%
Fluminense
3min20max
AnaurilândiaDia de sol, com geada ao amanhecer. As nuvens aumentam no decorrer da tarde.
4min16max
Campo GrandeDia de sol, com geada ao amanhecer. As nuvens aumentam no decorrer da tarde.
4min16max
DouradosDia de sol, com geada ao amanhecer. As nuvens aumentam no decorrer da tarde.
4min20max
Três LagoasDia de sol, com geada ao amanhecer. As nuvens aumentam no decorrer da tarde.