(67) 99869-0605
segunda, 04 de dezembro de 2023
quinta, 21 de maio de 2015 - 14:15

Mãe afirma que médica de plantão negou atendimento a criança de 2 anos

Uma mãe, que preferiu não se identificar, reclama que não conseguiu atendimento pediátrico para o filho de 2 anos, na madrugada desta quinta-feira (21), no CRS (Centro Regional de Saúde) Aero Ranho, na região sul de Campo Grande. A mulher diz que foi informada de que a médica de plantão não faria o atendimento porque está em greve. SAIBA MAIS Vereadores tentam reunião com prefeito para discutir greve dos médicos Vereador do PMDB recomenda que secretário entregue cargo na Sesau Greve dos médicos continua e sindicato diz que vai brigar na Justiça Segundo os relatos, a mãe procurou atendimento porque o filho está com bronquite e apresentou febre alta de 38ºC, durante a madrugada. A mulher afirma que a criança passou pela triagem, onde foi constatado que a febre não havia baixado, no entanto, não foi atendida. “Fiquei esperando até que a enfermeira disse que a médica avisou que não tinha obrigação de atender porque estava em greve”, relata. A mãe diz ainda que questionou o motivo da presença da médica, uma vez que o atendimento não seria prestado. “Perguntei o por que ela estava ali se não estava disposta a atender, ainda mais se tratando de uma criança com febre. Segundo a doutora não se tratava de emergência e eu poderia esperar até as 5 horas para ver se ela mudava de ideia. Então achei melhor pegar meu filho e ir para casa”, explica. Conforme os relatos, o nome da médica não foi informado. O Sinmed (Sindicato dos Médicos de Mato Grosso do Sul) garante que mesmo em greve, 30% do efetivo permanecem trabalhando nas UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) e CRSs e que os médicos são orientados a prestar atendimento. A assessoria de comunicação do Sinmed garante que a médica não se negou a fazer o atendimento e observa que a informação chegou à mãe por meio da enfermeira. O Sinmed diz que suspeita de que alguns profissionais estejam tentando “desestabilizar o movimento da paralisação”. A Sesau (Secretaria Municipal de Saúde Pública), afirma que já recebeu outras reclamações nesse sentido e orienta que as denúncias sejam formalizadas na ouvidoria do SUS (Sistema Único de Saúde) por meio do telefone: (67) 3314-9955, ou na sede da Secretaria, localizada na Rua Bahia, nº 280, Centro. A assessoria de comunicação enfatiza que as investigações só podem ser feitas após a apresentação formal da denúncias. Quanto à possibilidade de que o paciente tenha sido dispensado pela própria enfermeira, como sugere o Sinmed, a Sesau alega que não há denúncia formal e que por esta razão fica impedida de se posicionar oficialmente sobre a questão. WhatsApp: fale com os jornalistas do Jornal Midiamax O leitor enviou as informações ao WhatsApp da redação, no número (67) 9207-4330. O canal de comunicação serve para os leitores falarem diretamente com os jornalistas do Jornal Midiamax. Flagrantes inusitados, denúncias, reclamações e sugestões podem ser enviados com total anonimato garantido pela lei.
Veja Também
Comentários