(67) 99869-0605
domingo, 26 de maio de 2024
sexta, 6 de setembro de 2013 - 17:15

Jornalistas venezuelanos denunciam políticas do governo para silencia-los

Um grupo de jornalistas venezuelanos denunciou nesta sexta-feira em um fórum em Miami as políticas do governo chavista de Nicolás Maduro para silenciar a imprensa opositora, entre elas a criação de um bloqueio econômico que deixou os jornais provinciais sem papel.

Desde a semana passada oito jornais venezuelanos fecharam porque estão sem papel. "Esta forma de cerco econômico é apenas mais uma arma para destruir as janelas da informação", denunciou o jornalista e professor da Universidade Central da Venezuela Eduardo Orozco, presidente do Colégio Nacional de Jornalismo em Caracas.

Orozco, junto a colegas da agremiação, viajou a Miami para participar do fórum "O socialismo do século XXI e seu impacto sobre a liberdade de imprensa", organizado pela Associação de Jornalistas venezuelanos no Exterior (APEVEX) e o Instituto Miami Dade College.

Os jornalistas venezuelanos acusam o governo da Venezuela de ser o que foi mais longe em sua busca para controlar a imprensa e concentrar a mídia nas mãos do Estado.

"Os três pontos-chave da situação enfrentada por muitos países da região: em primeiro as restrições à liberdade de imprensa, em segundo os ataques contra a imprensa, e algo que é novo e típico desses governos, a concentração dos meios de comunicação em suas mãos", disse Guillermo Lousteau.

A queixa dos venezuelanos coincidiu com uma reivindicação da Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) ao governo da Venezuela pela supressão dos requisitos de entrega de divisas para a importação de papel jornal e outros materiais para a produção, para que possam retomar suas atividades paralisadas por falta de insumos.

Veja Também
Comentários