(67) 99869-0605
sexta, 24 de maio de 2024
quarta, 11 de setembro de 2013 - 08:45

Violência doméstica está presente no dia a dia da população brasileira

Lançada na semana em que a Lei Maria da Penha completou sete anos, a pesquisa de opinião inédita “Percepção da Sociedade sobre Violência e Assassinatos de Mulheres”, realizada pelo Data Popular e Instituto Patrícia Galvão, com apoio da Secretaria de Políticas para as Mulheres e Campanha Compromisso e Atitude pela Lei Maria da Penha, revelou significativa preocupação da sociedade com a violência doméstica e os homicídios de mulheres pelos parceiros ou ex-parceiros no Brasil.

Leia os principais resultados da pesquisa Percepção da sociedade sobre violência
Em entrevista exclusiva ao Portal Compromisso e Atitude, o diretor do Instituto Data Popular, Renato Meirelles, fala como os dados apresentados no estudo revelam que o tema está presente no cotidiano dos brasileiros de todas as classes sociais e como a insegurança está presente no lar das mulheres.

“70% acham que a mulher sofre mais violência dentro de casa do que nos espaços públicos.

Dados como estes reforçam o entendimento de que essa pauta é muito relevante e que deve, portanto, ser tratada como uma prioridade na agenda pública”, afirma Meirelles. Confira a entrevista:

Quais os principais resultados da pesquisa “Percepção sobre violência e assassinatos de mulheres”?

Renato Meirelles - A pesquisa traz vários resultados importantes. A temática dos assassinatos de mulheres tem grande relevância por não ser usualmente tratada nesse tipo de estudo.

No imaginário da população, a violência contra a mulher não se resume a agressões físicas, o que, evidentemente, já é bastante grave, mas inclui os assassinatos de mulheres.

92% concordam que, quando as agressões contra a parceira ocorrem com frequência, podem terminar em assassinato, e mais da metade acredita que o medo de ser assassinada faz com que uma mulher não termine uma relação em que é vítima de violência.

Além disso, há uma percepção quase generalizada de que os assassinatos de mulheres têm se tornado mais frequentes e mais cruéis.

Embora 57% acreditam que a punição dos assassinos das parceiras é maior hoje do que no passado, 85% acham que a justiça não pune de maneira adequada homens que assassinam suas companheiras.

A pesquisa revela que:
54% dos brasileiros conhecem uma mulher que já foi agredida por um parceiro

56% conhecem um homem que já agrediu uma parceira. O que esses dados mostram? Considerando que mais da metade da população brasileira são mulheres, a violência contra a mulher é hoje um dos principais problemas do país?

Renato Meirelles - Sem dúvida, a violência contra a mulher é um dos principais problemas do país, e a pesquisa deixa isso claro.

Ela está presente no cotidiano e é percebida como um dos crimes mais recorrentes no Brasil para mais da metade da população – com percentual semelhante a roubo / assalto. 70% acham que a mulher sofre mais violência dentro de casa do que nos espaços públicos e apenas 1/3 acha que a mulher se sente mais insegura na rua, o que reforça a presença da violência doméstica contra a mulher no dia a dia da população brasileira e a necessidade de estabelecer e reforçar medidas de enfrentamento dessa questão.

Sabemos que a violência contra a mulher é uma realidade na vida das brasileiras. Qual o significado dos dados que a pesquisa do Data Popular e Instituto Patrícia Galvão revela no contexto dessa expressiva sensibilidade?

Renato Meirelles - A pesquisa traz números que reforçam a presença da violência contra a mulher no cotidiano da população: mais da metade conhece uma mulher que já foi agredida por um parceiro.

Por outro lado, o estudo mostra que as saídas para uma relação violenta ainda precisam ser mais conhecidas: com exceção da Delegacia da Mulher – conhecida por quase todos, mas presente em poucos municípios, os serviços de apoio para as mulheres vítimas de violência ainda são pouco difundidos.

Como consequência, por exemplo, 97% recomendariam a Segurança Pública como um serviço de apoio para uma mulher vítima de violência, mas apenas 9% recomendariam qualquer outro serviço público.

A pesquisa revela em números o que especialistas já frisam em relação ao alto índice de assassinatos de mulheres por parceiros ou ex. O que essa percepção da população pode contribuir para o enfrentamento da violência doméstica?

Renato Meirelles - A pesquisa mostra, por exemplo, que quase nove em cada dez brasileiros sentem que, de forma geral, os crimes contra as mulheres têm aumentado nos últimos cinco anos.

No que diz respeito à violência doméstica, 89% disseram ter notado um aumento nos casos de agressão de mulheres por atual ou ex-marido/namorado no mesmo período.

O estudo mostrou, ainda, que sete em cada dez brasileiros acham que a mulher sofre mais violência dentro de casa do que em espaços públicos.

Dados como esses reforçam o entendimento de que essa pauta é muito relevante e que deve, portanto, ser tratada como uma prioridade na agenda pública.

(Portal Compromisso e Atitude pela Lei Maria da Penha)

Veja Também
Comentários