(67) 99869-0605
quinta, 30 de maio de 2024
terça, 10 de setembro de 2013 - 15:35

Júri absolve homem que tentou matar ex-companheira com quatro tiros na Capital

Foi absolvido nesta terça-feira (10) Marcio Leão Cavalcante, de 30 anos, acusado de tentar assassinar com quatro tiros a ex-companheira Patrícia de Oliveira Guimarães, de 31 anos, que atualmente está paraplégica. O julgamento aconteceu no período da manhã e o júri escolheu entre quatro votos a um pela absolvição do acusado.

De acordo com o advogado de defesa, José Roberto da Rosa, foi um julgamento simples no qual a tese de absolvição foi defendida e aceita pelos jurados “Nos mostramos ao júri às provas dos motivos que podem ter levado do crime. Ela o chamava de corno, não cuidava das crianças. Todos esses foram motivos que levaram o júri a compor essa sentença”, afirma o advogado.

Ao todo o homem cumpriu um ano e quatro meses de prisão e será solto nesta tarde por volta das 2h30 “Já estou indo providenciar o alvará de soltura”, confirma o advogado. Se condenado, o homem poderia pegar até 15 anos por homicídio qualificado.

Entenda o caso

Na noite do dia 14 de maio de 2011, Marcio Leão atirou quatro vezes na ex-companheira na frente da casa da avó, no bairro Jardim Monumento, em Campo Grande.

Segundo o boletim de ocorrência, o padrasto da vítima, Edmilson Carlos dos Santos, informou que ele e sua enteada estavam na casa da avó dela, quando seu ex-marido chegou e pediu para conversar com ela.

O acusado Marcio Leão Cavalcante, de 28 anos, teria dito que queria retomar o relacionamento com Patrícia e pediu para que seu padrasto e o filho de quatro anos do casal deixassem os sozinhos para conversar.

Edmilson teria continuado observando a conversa pela janela da casa, quando viu que Marcio começou a atirar contra Patrícia. Ele deu quatro tiros que atingiram os ombros e a barriga da ex-mulher.

Quando a polícia chegou ao posto de saúde do bairro universitário, para onde a vítima foi encaminhada, ela estava inconsciente e foi encaminhada para a Santa Casa.

A mulher ficou vários meses em coma e hoje está paraplégica.
Comentários