(67) 99869-0605
domingo, 26 de maio de 2024
quinta, 5 de setembro de 2013 - 14:30

Sindicatos prometem protesto na Câmara e prefeitura se vereadores não investigarem Bernal

O presidente do Sindicato dos Servidores Municipais (Sisem), Marcos Tabosa, ainda aguarda parecer da Câmara sobre pedido de abertura de comissão processante contra o prefeito Alcides Bernal (PP) por apropriação indébita de verba do sindicato. O pedido foi apresentado na terça-feira e a Câmara tem cinco dias para dizer se abrirá ou não a comissão. Porém, caso a resposta seja negativa, os representantes de sindicatos prometem manifestações na Câmara e na prefeitura.

“Estamos fazendo nossa parte. A Câmara que decide. Os sindicatos farão manifestações. A União Geral dos Trabalhadores (UGT) vai convocar os sindicatos para fazer manifestações na Câmara e em frente à prefeitura”, garantiu o presidente do Sisem, Marcos Tabosa.

O líder dos servidores afirma que apresentará novos documentos se a Câmara abrir a comissão para investigar o prefeito. “Só estamos aguardando o prefeito para mostrar que ele está mentindo. Entregaremos os documentos em doses homeopáticas. Temos documentos que comprovam que ele retém o dinheiro de maneira ilegal. Ele não tem documento que assegure”, declarou.

Tabosa alega que o prefeito se apropriou, indevidamente, de R$ 700 mil do Sisem, com o objetivo de amarrar o sindicato, impedindo que use o dinheiro para defender os servidores. “É uma forma de deixar o sindicato sem caixa e impedir que a gente faça nosso trabalho, que faça ações judiciais contra a prefeitura e as e irregularidades cometidas com os servidores”, esclareceu.

Com o parecer favorável da Procuradoria Jurídica da Câmara, os vereadores levam o pedido ao plenário, onde a maioria dos vereadores, com quórum de 15, decide se abre ou não a comissão processante. Aberta a comissão, o presidente fará um sorteio, entre os presentes, para a escolha dos membros. Bernal só será cassado se dois dos três integrantes definirem que ele cometeu improbidade e 20 dos 29 parlamentares votarem a favor do relatório.
Veja Também
Comentários